INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E A RESILIÊNCIA EM EMPREENDIMENTOS SOCIAIS - Um Estudo Multicasos
PDF

Palavras-chave

Inteligência Competitiva
Resiliência
Empreendedorismo Social

Como Citar

Auozani, L. R. S., Leite, L. E. da C., Costa, P. R. da, & Itelvino, L. da S. (2018). INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E A RESILIÊNCIA EM EMPREENDIMENTOS SOCIAIS - Um Estudo Multicasos. Revista Inteligência Competitiva, 8(3), 15–34. https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v8i3.257

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar a contribuição da inteligência competitiva para a resiliência em empreendimentos sociais que prestam serviços a crianças, jovens e adultos em situação de vulnerabilidade. A Inteligência Competitiva (IC) por ser um processo dinâmico que aborda questões tanto de caráter econômico como social, na prospecção e monitoramento da gestão do conhecimento e informações, desempenha papel fundamental na inovação tecnológica das organizações. As organizações de cunho social também fazem uso de tecnologias de comunicação para coleta, análise e disseminação de informações referentes à sua área de atuação. Os empreendedores sociais cercam-se de todo o manancial possível e necessário de conhecimentos, tecnologias, capacidades e recursos para levarem suas organizações a alcançarem objetivos possíveis. Os dados utilizados foram de natureza secundária, pois foram utilizadas histórias de vida de empreendedores brasileiros considerados referência na geração de inovações sociais de impacto, segundo o Prêmio Empreendedor Social realizado pelo jornal Folha de São Paulo e pela Fundação Schwab.

https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v8i3.257
PDF

Referências

ADAM, J.-M. A linguística textual: introdução à análise textual dos discursos. São Paulo, 2008.

ALBERTI, V. Ouvir contar: textos em história oral. [S.l.]: FGV Editora, 2004.

ALBUQUERQUE, R. A. F. Resiliência Organizacional: o caso da ação afirmativa na UFMT. [S.l.], 2016. Disponível em: <https://www.google.com.br/search?q=%3A+http%3A+%2F%2F+www.nat-hazards-earth-syst-sci.net%2F13%2F2707%2F2013%2Fnhess-13-+2707-2013.pdf+doi%3A+10%2C5194+%2F+nhess-13-2707-2013.&ie=utf-8&oe=utf-8&client=firefox-b-ab&gfe_rd=cr&ei=H1rGV9TGAe3M8AfGw7SQCg#q=RESILI%C3%8ANCIA+ORGANIZACIONAL:+o+caso+da+A%C3%A7%C3%A3o+Afirmativa+na+UFMT>. Acesso em: 31 ago. 2016.

ALEXANDER, D. E. Resilience and disaster risk reduction: an etymological journey. [S.l.], 2013. Disponível em: <https://scholar.google.com/scholar?cluster=15840539596404037416&hl=en&num=20&as_sdt=2005&sciodt=0,5>. Acesso em: 29 ago. 2016.

CASTRO KRAKAUER, P. V. DA; ALMEIDA, F. C. DA; ALMEIDA, M. I. R. DA. Competitive Intelligence: Bibliometric Research on Early Signals. Journal of Modern Accounting and Auditing, 2013. v. 9, n. 4, p. 547.

DAWSON, P.; DANIEL, L. Understanding social innovation: a provisional framework. International Journal of Technology Management, 2010. v. 51, n. 1, p. 9–21.

DU TOIT, A. S. Current state of competitive intelligence in South Africa. 2014. Disponível em: <http://www.repository.up.ac.za/handle/2263/37170>. Acesso em: 8 jun. 2017.

EROL, O.; SAUSER, B. J.; MANSOURI, M. A framework for investigation into extended enterprise resilience. Enterprise Information Systems, v. 4, n. 2, p. 111–136. 2010.

GALVÃO, C. Narratives in Education. Ciência & Educação, v. 11, n. 2, p. 327–345, 2005.

GARCIA, A. E. G. A Inteligência competitiva e o desenvolvimento de capacidades dinâmicas nas organizações. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 2017. v. 16, n. 1, p. 91.

GARCIA-ALSINA, M.; COBARSÍ-MORALES, J.; ORTOLL, E. Competitive intelligence theoretical framework and practices: The case of Spanish universities. Aslib. Journal of Information Management, v. 68, n. 1, p. 57–75, 2016.

HOLLING, C. S. Resilience and Stability of Ecological Systems. Review of Ecology and Systematics. v. 4, n. 1, p. 1–23. 1973. [Annual].

LENGNICK-HALL, C. A.; BECK, T. E.; LENGNICK-HALL, M. L. Developing a capacity for organizational resilience through strategic human resource management. Human Resource Management Review, v. 21, n. 3, p. 243-255, 2011. - Google Acadêmico, [S.l.], 2011. Disponível em: <https://scholar-google-com-br.ez52.periodicos.capes.gov.br/scholar?q=LENGNICK-HALL%2C+C.+A.%3B+BECK%2C+T.+E.%3B+LENGNICK-HALL%2C+Mark+L.+Developing+a+capacity+for+organizational+resilience+through+strategic+human+resource+management.+Human+Resource+Management+Review%2C+v.+21%2C+n.+3%2C+p.+243-255%2C+2011.&btnG=&hl=pt-BR&as_sdt=0%2C5>. Acesso em: 13 set. 2016.

LUU, T. Knowledge sharing and competitive intelligence. Marketing Intelligence & Planning, v. 32, n. 3, p. 269–292, 2014.

MC ASLAN, A. The concept of resilience. Understanding its origins, meaning and utility. [S.l.], 2010. Disponível em: <https://www.google.com.br/search?q=%3A+http%3A+%2F%2F+www.nat-hazards-earth-syst-sci.net%2F13%2F2707%2F2013%2Fnhess-13-+2707-2013.pdf+doi%3A+10%2C5194+%2F+nhess-13-2707-2013.&ie=utf-8&oe=utf-8&client=firefox-b-ab&gfe_rd=cr&ei=H1rGV9TGAe3M8AfGw7SQCg#q=The+concept+of+resilience.+Understanding+its+origins,+meaning+and+utility%3B+2010.&start=60>. Acesso em: 31 ago. 2016.

NASRI, W.; ZARAI, M. Key success factors for developing competitive intelligence in organisation. American Journal of Business and Management, v. 2, n. 3, p. 239–244, 2013.

PECILLO, M. The concept of resilience in OSH management: a review of approaches. [S.l.], 2016. Disponível em: <https://scholar.google.com/scholar?q=related:bRU1QkSEaYcJ:scholar.google.com/&hl=en&num=20&as_sdt=0,5&as_ylo=2006&as_yhi=2016>. Acesso em: 30 ago. 2016.

PELLISSIER, R.; NENZHELELE, T. E. Towards a universal competitive intelligence process model: original research. South African Journal of Information Management, v. 15, n. 2, p. 1–7, 2013.

RAGHDA EL EBRASHI. Social entrepreneurship theory and sustainable social impact. Social Responsibility Journal, v. 9, n. 2, p. 188–209, maio 2013.

RAJANIEMI, K. Internet-based scanning of the competitive environment. Benchmarking: An International Journal, v. 14, n. 4, p. 465–481, 2007.

RODRIGUES, L. C. Inteligência competitiva. In: Disciplina Inteligência Competitiva. Cuiabá/MT: 2016. [Slides].

WELSH, D. H. B.; KRUEGER, N. The evolution of social entrepreneurship: what have we learned? Journal of Technology Management in China, v. 7, n. 3, set. p. 270–290, 2012.

YUNES, M. A. M. A questão triplamente controvertida da resiliência em famílias de baixa renda. 1 jan. 2001. Disponível em: <http://tede2.pucsp.br/tede/handle/handle/16345>. Acesso em: 12 set. 2016.

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) emhttp://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html

Downloads

Não há dados estatísticos.