A GESTÃO DE COMPETÊNCIAS COMO UMA DAS IMPORTANTES ESTRATÉGIAS PARA O FOMENTO DA INOVAÇÃO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES
PDF

Palavras-chave

Gestão de Competências
Competitividade
Inovação
Strategic management
Competency Management
Innovation

Como Citar

Costa, A. C. (2017). A GESTÃO DE COMPETÊNCIAS COMO UMA DAS IMPORTANTES ESTRATÉGIAS PARA O FOMENTO DA INOVAÇÃO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES. Revista Inteligência Competitiva, 7(2), 82–106. https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v7i2.217

Resumo

 Este artigo teve por objetivo discutir sobre as possíveis contribuições da gestão de competências para a inovação nas organizações. Atribuiu-se a devida importância ao assunto, porque uma organização, que incorpore entre as suas estratégias fundamentais a valorização de uma gestão de competências que priorize a inovação, pode aumentar o seu potencial competitivo no mercado em que atua. O estudo, quanto aos procedimentos metodológicos, foi de caráter exploratório e qualitativo, instrumentalizado por uma revisão bibliográfica sobre as principais teorias que norteiam o tema. Por fim, apresentou-se algumas perspectivas novas para o alinhamento da gestão de competências ao processo de inovação dentro das organizações, através de três eixos fundamentais: o estratégico, o de processo e o de gestão de pessoal.

https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v7i2.217
PDF

Referências

REFERÊNCIAS

AMORIM, T. N. G. F.; SILVA, L. B. Gestão estratégica de pessoas e inovação: uma parceria essencial. RAUnP - Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, Natal/RN, v. 4, n. 1, p. 33-42, 2011. Disponível em: https://repositorio.unp.br/index.php/raunp/article/view/177. Acesso em: 13 abr. 2016.

ANDRADE, R. K.V.; AMORIM, L. P.; GOMES, D.S. A importância da utilização da inovação como estratégia competitiva nos negócios. Revista de Administração do UNISAL, São Paulo v. 4 n. 6, p. 1-18, 2014.

ANDRADE, S.M. Alinhamento entre a estratégia de Gestão de Pessoas e a estratégia Inovação: Um estudo de empresas inovadoras. In: XV SEMINÁRIO EM ADMINISTRAÇÃO-SEMEAD, 2012, São Paulo. Disponível em : http://www.progep.org.br/MelhoresEmpresas/InfoDocs/Alinhamento%20entre%20a%20estrat%C3%A9gia%20de%20Gest%C3%A3o%20de%20Pessoas%20e%20a%20estrat%C3%A9gia%20Inova%C3%A7%C3%A3o%20%20Um%20estudo%20de%20empresas%20inovadoras.pdf. Acesso em: 17 maio 2016.

ARAÚJO, A.K.; ARAÚJO, R.M. A inovação de processos: um estudo no segmento de restaurante. Revista de Cultura e Turismo, Ilhéus/BA, n. 3, p. 1-21, 2013. Disponível em http://www.uesc.br/revistas/culturaeturismo/ano7-edicao3/8.pdf. Acesso em: 3 abr. 2016.

BARBOSA, A. C; CINTRA, Leandro P. Inovação, competências e desempenho Organizacional- Articulando Construtos e sua Operacionalidade. Future Studies Research Journal, v. 4, n.1, p. 31- 60, 2012.

BECKER, J.; BRITO, R. R. Competências organizacionais e suas interações como Fator de Inovação: Estudo de Caso em uma Empresa de Varejo. In: IX Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, outubro de 2012. Disponível em: http://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos12/43816492.pdf. Acesso em: 8 jun. 2016.

BENEVIDES et al. Competências individuais e modernidade organizacional: um estudo comparativo entre profissionais de organizações mineiras e baianas. Revista Gestão e Produção, São Carlos, vol. 23, n. 2, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=0104530X20160002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 4 set. 2016.

BICHUETI, et al. A Maturidade Inovadora em Indústrias de Santa Maria/RS: Um estudo milti-casos no Distrito Federal. In: VII ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS DA ANPAD, 22 de maio de 2012, Curitiba. Anais..., Curitiba: ENEO, 2012. Disponível em: http://www.anpad.org.br/diversos/trabalhos/EnEO/eneo_2012/2012_ENEO360.pdf. Acesso em 13/12/2015.

BITENCOURT, C.; BARBOSA, A. Gestão de competências: articulando indivíduos, organizações e sociedade. In: BITENCOURT, Cláudia (Org.). Gestão contemporânea de pessoas. 2ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

BRAMBILLA, F. R.; KAERCHER, A. R.; SOUZA, C. H. (2014). Implantação da Gestão por Competências: Análise Qualitativa no departamento industrial de um fabricante de cigarros. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, Caxias do Sul/ RS, v. 1, n. 2, 2014.

BRIDA, M.de; SANTOS, J.N. O Alinhamento entre a Estratégia e as Competências Organizacionais: o caso de uma empresa nacional líder do segmento de revestimentos cerâmicos. Revista de Ciências da Administração, Florianópolis, v. 13, n. 31, p. 210-242, 2011.

CASAGRANDA, A.C., PACINI, E.P.; SCHOENINGER, A. Influência da cultura organizacional no processo de inovação: estudo de caso em uma indústria moveleira de Portugal. In: IV SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE GESTÃO DE PROJETOS, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE, Anais do IV SINGEP, 08, 09 e 10/11/2015. Disponível em: http://www.singep.org.br/4singep/resultado/466.pdf. Acesso em: 27 mar. 2016.

CORTELLA, S. (2015). Qual é a tua obra? Petrópolis: Ed. Vozes, 2015.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DALMOLIN, C. C; FIGUEIRA, T. G. Mapeamento de competências gerenciais no Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. In: CONGRESSO CONSAD DE GESTÃO PÚBLICA, abr.2013, Brasília. Anais...Brasília: CONSAD, 2013 p. 16-18. Disponível em:<http://repositorio.fjp.mg.gov.br/consad/bitstream/123456789/868/1/C6_TP_MAPEAMENTO%20DE%20COMPET%C3%8ANCIAS%20GERENCIAIS.pdf>. Acesso em: 2 maio 2016.

DUTRA, J. S. Competências: conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna. 11. Reimp. São Paulo: Atlas, 2013.

FARIA, M.F. B.; FONSECA, M.V. A. de A. Cultura de Inovação: Conceitos e Modelos Teóricos. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v.18, n.4, July/Aug.2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552014000400372#B38. Acesso em: 21 mar. 2016.

FAZION, C. B.; MEROE, G. P.S; SANTOS, A. B.A. dos. Inovação: Um Estudo sobre a Evolução dos Conceitos de Schumpeter. Caderno de Administração da Revista da Faculdade de Administração da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, v.1, n.1, 2011. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/caadm/article/view/9014/6623. Acesso em: 12 mar. 2015.

FERREIRA, A. B. de. Novo dicionário da língua portuguesa: versão 7.0. Curitiba: Positivo, 2010. Cd-Rom.

FILENGA, D.; VIEIRA. A.M. Gestão por competências: retórica organizacional ou prática da gestão de pessoas? Qualit@s Revista Eletrônica, Rio de Janeiro, v.13, n. 1, 2012.

FLEURY, A.; FLEURY, M. T. L. Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra-cabeça caleidoscópio da indústria brasileira. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

FLEURY, A.; FLEURY, M T. L.; BORINI, F.M. The Brazilian Multinationals' Approaches to Innovation. Journal of International Management, v. 19, p. 260–275, 2013.

GAZOLA, E.C.; SILVA, E.C. de. Estratégias de produção e a relação com a prática de inovação tecnológica. Revista de Administração IMED, Passo Fundo/RS, v. 6, n .1, p. 4-18, 2016.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

HOUAISS, A. Dicionário Eletrônico da Língua Portuguesa. Versão 2.0. Editora Objetiva, Abril de 2009.

LOPES, H. C. O desenvolvimento econômico: uma proposta de abordagem teórica evolucionária e institucionalista. Revista de Estudos Econômicos, São Paulo, v.45, n.2, p.377-400, São Paulo, abr./jun. 2015.

LUZ, A.S.; TEIXEIRA, A.P.P. A importância das competências organizacionais: uma análise da percepção de gestores. Revista Diálogo, Canoas, n. 26, p. 111-120, 2014.

MEDEIROS, D.O.; MORAES, R., A.de; SILVA, M. Carlos A. da. ( 2016). Inovação e Resistência à Mudança. In: CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA E GESTÃO, 08 e 09 de agosto de 2014, Rio de Janeiro, RJ. Disponível em: http://www.inovarse.org/sites/default/files/T14_0266_7.pdf. Acesso em 25/02/2016. Acesso em: 7 out. 2015.

MELLO, C.M. Abordagens e procedimentos qualitativos: implicações para pesquisas em organizações. Revista alcance, Itajaí/SC, v. 21, n. 2, p. 324-349, 2014.

MOTA, R.; SCOTT, D. Educating for innovation and independent learning. Oxford: Elsevier, 2014.

NEUMANN, C. Gestão de Sistemas de Produção e Operações: Produtividade, lucratividade e competitividade. Editora Elsevier: São Paulo, 2013.

NOBRE, E. et al. Capacidade de inovação nas empresas incubadoras. Holos, Natal, v. 3, ano 32, p. 198-217, jun. 2016. Disponível em: <http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article. Acesso em: 10/03/2016.

OLIVEIRA, C. A.A. de; SALUM, F. A.; RENNÓ, L. Caso de Inovação Fiat Automóveis- Gestão de Competências para Inovação. Fundação Dom Cabral, Nova Lima, MG, 2012. Disponível em: http://acervo.ci.fdc.org.br/AcervoDigital/Casos/Casos%202012/CF1210.pdf. Acesso em: 23 fev. 2016.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO – OCDE. Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. Ed. 2005. Disponível em: http://download.finep.gov.br/imprensa/oslo2.pdf. Acesso em 4 jun. 2015.

PEDROZO, E. A.; SILVA, T. N. da; WINKLER, N. C. Reflexões Sobre Os Limites Da Contribuição De Schumpeter: Para Uma Inovação Sustentável Transformadora. In: XXXVIII Encontro do ANPAD, Rio de Janeiro, 13 a 17 de setembro de 2014. Disponível em:http://www.anpad.org.br/admin/pdf/2014_EnANPAD_GCT1954.pdf. Acesso em: 3 jun. 2015.

QUEIROZ, A. C. S.; ALBUQUERQUE, L. G.; MALIK, A. M. Gestão estratégica de pessoas e inovação: estudos de caso no contexto hospitalar. Revista de Administração, São Paulo, v.48, n.4, p. 658-670, 2013.

REINA, Márcia. A importância de uma Gestão Estratégica para o Processo de Inovação nas Empresas. XI CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO. 13 e 14 de agosto de 2015, Rio de Janeiro, RJ. Disponível em: http://www.inovarse.org/sites/default/files/T_15_105.pdf. Acesso em: 23 jan. 2016.

SCHUMPETER, J.A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros capital, crédito, juros e o ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultura, 1996.

SILVA, J. C.L. da; SOUZA, A. C.A.A de. Dimensões da Inovação Social e Promoção do Desenvolvimento Econômico Local no Semiárido Cearense. In: XXXVIII encontro da ANPAD, Rio de Janeiro, 13 a 17 de setembro de 2014. Disponível em: http://www.anpad.org.br/admin/pdf/GCT283.pdf. Acesso em: 08/03/2016.

SILVEIRA, J. D. C. A.; OLIVEIRA, M. A. Inovação e desempenho organizacional: um estudo com empresas brasileiras inovadoras. Sociedade, Contabilidade e Gestão, v. 8, n. 2, p. 64-88,

SOARES, E. C. A formação e o investimento das organizações nos seus capitais humanos: um estudo de caso sobre a importância da avaliação da formação. Revista Científica Exedra, Coimbra, nº 8, 2013, p. 77-89. Disponível em: http://www.exedrajournal.com/wp-content/uploads/2014/09/06.pdf. Acesso em: 10 abr. 2016.

STOECKICHT, I. P. SOARES, C. A. P. A importância da gestão do capital social para o desenvolvimento da capacidade de inovar em empresas brasileiras. Revista de Inovação, Gestão e Produção- INGEPRO, v. 2, n. 10, 2010.

TACHIZAWA, T.; FERREIRA, V.C.P.; FORUNA, A.F.M. Gestão com pessoas: uma abordagem aplicada às estratégias de negócios. 5 ed. São Paulo: FGV, 2006.

TERRA, J. C. et al. 10 dimensões da gestão da inovação: uma abordagem para a transformação organizacional. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

VASCONCELOS, M. A. Gestão de Inovação nas Organizações. Fórum de Inovação da FGV-EAESP, outubro de 2012. Disponível em: http://inovforum.fgv.br/artigos/gestao-de-inovacao-nas-organizacoes/.Acesso em: 12/06/2015.

UBEDA, C. L.; SANTOS, F. C. A. Os principais desafios da gestão de competências humanas em um instituto público de pesquisa. Gestão da Produção. São Carlos, v. 15, n. 1, p. 189-199, 2008.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 15 ed. São Paulo: Atlas, 2014.

VIDOTTO, J.D.F.; BENTANCOURT, S. M.P.; BASTOS, R.C. Reflexões sobre a percepção do capital humano nas últimas cinco décadas. International Journal of Knowledge Engineering and Management, v.4, p.169-187, 2015. Disponível em: http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/IJKEM/article/view/3535/4289. Acesso em: 19 fev. 2016.

VIEIRA, G. Abrindo a caixa preta da mudança organizacional para a inovação tecnológica. Desafio Online, Campo Grande, v. 2, n. 1, 2016. Disponível em: seer.ufms.br/index.php/deson/article/download/2085/1340. Acesso em 7 jul. 2016.

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) emhttp://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html

Downloads

Não há dados estatísticos.