VISÃO BASEADA EM RECURSOS E MONITORAMENTO DO AMBIENTE E SUA INFLUÊNCIA NAS CAPACIDADES DINÂMICAS
PDF

Palavras-chave

Visão baseada em recursos (VBR)
Capacidades dinâmicas
Monitoramento do ambiente
Vantagem competitiva
Resource based view (RBV)
Dynamic capabilities
Environmental monitoring
Competitive advantage

Como Citar

Dalfovo, M. S., Machado, M. M., Gonçalves, A., & Baumgartner, A. (2017). VISÃO BASEADA EM RECURSOS E MONITORAMENTO DO AMBIENTE E SUA INFLUÊNCIA NAS CAPACIDADES DINÂMICAS. Revista Inteligência Competitiva, 7(2), 133–177. https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v7i2.221

Resumo

A Visão Baseada em Recursos explica a vantagem competitiva através de uma perspectiva de estratégia a partir de recursos da organização. O Monitoramento do Ambiente é o meio que as organizações possuem para absorver informações do ambiente externo e aproveita-las no processo de administração estratégica. As capacidades Dinâmicas é a habilidade que a organização tem em construir, integrar e reconfigurar as suas competências tanto de fora como de dentro da organização para enfrentar as mudanças do ambiente. O objetivo deste estudo é identificar como a Visão Baseada em Recursos e o Monitoramento do Ambiente influenciam as Capacidades Dinâmicas. Para alcançar este objetivo foi aplicada uma pesquisa que se caracterizou como descritiva e com abordagem quantitativa, em uma amostra de 404 empresas de porte Micro, Pequeno e Médio. Os critérios de análise utilizados foram os de Análise Fatorial Confirmatória e a Modelagem de Equações Estruturais. Os resultados apontam que nas empresas pesquisadas a Visão Baseada em Recursos e o Monitoramento do Ambiente tem grande influência nas Capacidades Dinâmicas, tendo como objetivo a vantagem competitiva.
https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v7i2.221
PDF

Referências

AGUILAR, F.J. Scanning the business environment, New York: The Macmillan Company, 1967.

ALDRICH, H.E; PFEFFER, J. Organizations and envioronments. Ithaka: New York State School of Industrial and Labor Relations, Cornell University, 1976.

BARBETTA, P.A. Estatística aplica às ciências sociais. 7. Ed. Florianópolis: Ed. daUFSC,2002.

BARNEY, J. B. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management,n.17,p.99-120,1991.

BARNEY, J. B.; HESTERLY, W. S. Administração estratégica e vantagem competitiva. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

BOUDON, R. Beyond rational choice theory. Annual Review of Sociology, v.29, n.1, p.1-21, 2003.

CANCELLIER, E. L. P. de L.; BLAGESKI Jr., E. J.; ROSSETTO, C. R. Environmental scanning, strategic behavior and performance in small companies. Journal of Information Systems and Technology Management, v. 11, n. 3, p 611-628. 2014.

CERVO, A.L; BERVIAN, P.A; SILVA, R. Metodologia Científica. 6. Ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

COHEN, W. M; LEVINTHAL, D. A. Absorptive capacity: a new perspective on learning and innovation. Administrative Science Quarterly, v. 35, n.1, 128 – 152, 1990.

COLLIS, K.S; MONTGOMERY, C.A. Competing on resources: strategy for the 1990s. Harvard Business Review, 1995.

CRESWELL, J.W. Projeto de Pesquisa. Métodos qualitativos, quantitativos e mistos. 3. Ed. Porto Alegre: Artmed/Bookman, 2010.

DALFOVO, M. S.; RUTZEN, F.; MACHADO, M. M.; GONÇALVES, A. Recursos para Vantagem Competitiva Sustentável no Segmento da Construção Civil. Rev. FSA, Teresina, v. 13, n. 5, p. 3-25. set.out. 2016.

DUNCAN, R.B. Characteristics of organizational environments and perceived environmental uncertainty. Administrative Science Quarterly, v. 17, n. 3, p. 313-327. 1972.

FONSECA, V.S; MACHADO-DA-SILVA, C.L. Conversação entre abordagens da estratégia em organizações: Escolha estratégica, cognição e instituição. Organizações e Sociedade, 2002.

GUERRA, A.R. Arranjos entre fatores situacionais e sistema e sistema de contabilidade gerencial sob a ótica da teoria da contingência. 2007. (Tese de doutorado) - Universidade de São Paulo, São Paulo 2007.

HAIR, J. R. et al Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HAIR, J.R; et al, Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Artmed, 2005.

HENDERSON, B.D. As origens da estratégia. Rio de Janeiro: CAMPUS, 1998.

MACHADO, M. M. Aprendizagem Organizacional e sua relação com o Desempenho em Inovação de Produtos moderada pelas Capacidades Dinâmicas. 2015. 285 f. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis e Administração) – Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, SC, 2015.

MILES, R.E. SNOW C.C. Organizational strategy, structure, and process. New York: McGraw-Hill, 1978.

MINTZBERG, H; QUINN, J.B. O processo da estratégia. Porto Alegre: Bookman, 2001.

OHMAE, K. De volta à estratégia. In: Montgomery. Estratégia: A busca da vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Campus, o. 67-83, 1998.

OMAKI, E. T. Recursos intangíveis e desempenho em grandes empresas brasileiras: avaliações dos recursos intangíveis como estimadores de medidas de desempenho financeiras. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 2005, Brasília. Anais... ENANPAD, XXIX. Brasília: ANPAD, 2005.

PAVÃO, Y. M. P.; SEHNEM, S.; HOFFMANN, E. Análise dos recursos organizacionais que sustentam a vantagem competitiva. R. Adm. São Paulo, v. 46, n. 3, p. 228-242, jul./set. 2011.

PORTER, M.E. Competitive strategy. New York: Free Press, 1980.

PORTER M.E. Vantagem Competitiva: Criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

PRAHALAD, C, K; HAMEL, G. The core competences of the corporation. Boston: Harvard Business Review, 1990.

SUBRAMANIAN, R; FERNANDES, N; HARPER, E. Environmental scanning in U.S. companies: their nature and their relationship to performance. Management international review, p. 271-286, 1993.

TEECE, D; PISANO, G. The dynamic capabilities of firms: an introduction. Industrial and Corporate Change, n.3, p. 537-556, 1994.

TEECE, D; PISANO, G; SHUEN, A. A dynamic capabilities and strategic management Strategic Management Journal, v.18, n.7, p. 509-533, Aug.1997.

VIEIRA, F. L.; DALFOVO, M. S.; MACHADO, M. M.; GONÇALVES, A. Recursos de Cooperativas que levam à Vantagem Competitiva Sustentável. GEPROS, Bauru, v. 11, n. 4, out-dez., p. 1-19. 2016.

WANG, C. L.; AHMED, P. K. Dynamic Capabilities: A review and research agenda. International Journal of Management Reviews, v. 9, n.1, 31-51, 2007.

WERNERFELT, B.A. A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, n.5, p.171-180, 1984.

ZAHRA, S. A.; GEORGE, G. The net-enabled business innovation cycle and the evolution of dynamic capabilities. Information Systems Research, v. 13, n.2, 147–151, 2002.

ZAHRA, S.A; SAPIENZA, H.J; DAVIDSSON,P. Entrepreneurship and dynamic capabilities: a review, model and research agenda. --Journal of Management Studies, p. 917-955. 2006.

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) emhttp://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html

Downloads

Não há dados estatísticos.