Panorama dos métodos de análise de informação para inteligência competitiva
PDF

Palavras-chave

Inteligência Competitiva
Inteligência Estratégica
Métodos de Análise de Informação
Analistas de Inteligência Competitiva

Como Citar

Andrade, Ítalo W. de, & Azevedo, A. W. (2018). Panorama dos métodos de análise de informação para inteligência competitiva. Revista Inteligência Competitiva, 8(1), 23–43. https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v8i1.245

Resumo

Esta pesquisa teve como objetivo identificar os métodos de análise de informação utilizados pelos analistas de inteligência competitiva (IC) para transformar informação em inteligência. O presente estudo se justifica, pois na literatura especializada na área da ciência da informação não apresenta estudos suficientes e detalhados sobre a aplicação dos métodos de análise de informação. Neste prisma, para alcançar o objetivo proposto foi realizado uma pesquisa exploratória na base de dados referenciais de artigos de periódicos em ciência da informação (BRAPCI) e na biblioteca digital brasileira de teses e dissertações (BDTD), vislumbrando identificar os estudos em que versão os métodos de análise de informação. Foram identificados 57 métodos, dos quais 4 destacam-se como os mais utilizados: cenários, matriz SWOT, benchmarking e a cinco forças de Porter. Infere-se que apesar da grande variedade de métodos de análises existentes, os mais utilizados pelos analistas de IC são os métodos tradicionalmente utilizados para elaboração do planejamento estratégico.

https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v8i1.245
PDF

Referências

ABRAIC, 2017. Disponível em: <http://abraic.org.br/>. Acesso em: 02 jan. 2017.

AMARAL, R. M. do. Análise dos perfis de atuação profissional e de competências relativas à inteligência competitiva. 2010. 187 f. Tese (Doutorado em Engenharia da Produção) – Universidade Federal de São Carlos.

ARAÚJO, J. M. P. Processo de descoberta de conhecimento em dados não-estruturados - estudo de caso para a inteligência competitiva. 2007. 180f. Dissertação (Mestrado em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação) – Programa de Pós-Graduação em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação, Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2007.

CARDOSO JUNIOR, W. F. A inteligência competitiva aplicada nas organizações do conhecimento como modelo de inteligência empresarial estratégica para implementação e gestão de novos negócios. 2003. 161f. Tese (Doutorado em Engenharia da Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina.

CARLOS, R. Modelo para atualização de roadmaps utilizando conceitos de agilidade e inteligência competitiva. 2014. 166f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção), Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2014.

CANONGIA, C.; PEREIRA, M. N. F.; ANTUNES, A. Modelo de estratégia de prospecção de setores intensivos em p&d: sinergias entre inteligência competitiva (ic), gestão do conhecimento (gc), e foresight (f). DataGramaZero, v. 7, n. 1, p. 0-0, 2006.

CÔRTES, A. M. Processo de apoio para análise de informações em inteligência competitiva com foco em inovação. 2013.110f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia) – Programa de Pós-Graduação em Tecnologia, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2013.

DEL REY, Alexandre. Inteligência dinâmica nas organizações – a utilização de redes bayesianas na redução de incertezas nos processos de inteligência competitiva. 2011. 209 f. Dissertação (Mestrado em Administração). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

FLEISHER, C. S.; BENSOUSSAN, B. E. Strategic and competitive analysis: methods and techniques for analyzing business competition. New Jersey: Prentice Hall, 2003.457 p.

HOFFMANN, W. A. M. Monitoramento da informação e inteligência competitiva: realidade organizacional. InCID: R. Ci. Inf. e Doc., v. 2, n. 2, p. 125-144, 2011.

KÜNZEL, A. A análise estratégica como orientação ao processo de inteligência competitiva (IC) num caso empresarial do segmento industrial alimentício do vale do taquari (VT-RS). 2001. 151f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

MARCIAL, Elaine C. Utilização de modelo multivariado para identificação dos elementos-chave que compõem sistemas de Inteligência Competitiva. Brasília: Universidade de Brasília, 2007. 161f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. Universidade de Brasília, Departamento de Ciência da Informação e Documentação: Brasília, 2007.

MILLER, Jerry P. O milênio da inteligência competitiva. Porto Alegre: Bookman, 2002. 293 p.

MORESI, E. A. D.; PRADO, H. A.; ALCÂNTARA, A. Cenários prospectivos, monitoração ambiental e metadados. DataGramaZero, v. 11, n. 1, 2010.

MORITZ, G. O. Planejando por cenários prospectivos. 2004. 152f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

NIT - Núcleo de Informação Tecnológica em Materiais. Manual de inteligência competitiva. São Carlos: NIT/Materiais UFSCar, 2004. 60 p.

OLIVEIRA, A. J. F. Inteligência competitiva e prospecção na análise dos cenários dos mercados de crédito - a caixa econômica federal como um estudo de caso. 2008. 100f. Dissertação (Mestrado em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação) – Programa de Pós-Graduação em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação, Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2008.

PASSOS, Alfredo. COMPETITOR INTELLIGENCE COMMITTEE. Inteligência competitiva: como fazer IC acontecer na sua empresa. 1.ed. São Paulo: LCTE, c2005. 167p.

PERIOTTO, C. Análise e uso da informação em pequenas empresas de base tecnológica incubadas no pólo tecnológico de São Carlos – SP. 2010. 161f. Dissertação (Mestrado em Ciência, Tecnologia e Sociedade) – Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2010.

SCIP, 2017. Disponível em: <https://www.scip.org/>. Acesso em: 08 jan. 2017.

SILVA, S. T. Reestruturação de uma empresa de tecnologia em busca da competitividade. 2008. 139f. Dissertação (Mestrado em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação) – Programa de Pós-Graduação em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação, Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2008.

STAREC, Claudio; GOMES, Elisabeth; BEZERRA, Jorge. Gestão estratégica da informação e inteligência competitiva. São Paulo: Saraiva, 2006.

TARAPANOFF, Kira. Inteligência Organizacional e Competitiva (Org.). Brasília: Editora UNB, 2001.

TEIXEIRA, D. Informação utilizada nos processos decisórios de gestores universitários - estudo de caso na PUC-Campinas, SP. 2005. 130f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2005.

VALENTIM, M. L. P. et al. O processo de inteligência competitiva em organizações. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 4, n. 3, p. 1-23, jun. 2003.

VALENTIM, M. L. P; SOUZA, J. S. F. Fluxos de informação que subsidiam o processo de inteligência competitiva. Encontros Bibli, v. 18, p. 87-106, 2013.

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) emhttp://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html

Downloads

Não há dados estatísticos.