O USO DA INFORMAÇÃO E A SUA APLICAÇÃO COMO INSUMO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO
PDF

Palavras-chave

Gestão da informação
Estratégia
Agronegócio
Inteligência Competitiva
Information management
Strategy
Agribusiness
Competitive intelligence

Como Citar

Faléco, L. L., & Jorge, C. F. B. (2017). O USO DA INFORMAÇÃO E A SUA APLICAÇÃO COMO INSUMO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO. Revista Inteligência Competitiva, 7(3), 95–117. https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v7i3.267

Resumo

O presente artigo tem como objetivo verificar, explorar e conhecer a importância da gestão da informação (GI) e dessa forma realizar uma análise detalhada da importância e a influência que ela exerce em apoio a gestão como base de estratégia para o agronegócio. A GI tem como princípio fundamental dentro gerenciar a informação, utilizando o sistema de informações dessa formar possibilitar a introdução das tecnologias de informação dentro do agronegócio. O mercado brasileiro tem passado por diversas modificações por esse motivo o Brasil torna-se cada vez mais uma potência mundial no agronegócio. A importância da GI atua principalmente na tomada de decisão e no agronegócio ele vem emergindo e se destacando como uma forte aliança como ferramenta estratégica juntamente com o processo de inteligência competitiva, responsável por trabalhar com o ambiente externo. O agronegócio como processo utiliza diversas tecnologias na produção a fim de chegar em níveis elevados de produtividade mas para que esse processor tenha sucesso é fundamental que seja disponha desses recursos de tecnologia. A utilização continua da informação traz impactos positivos nos resultados organizacionais e contribui acima de tudo com a redução de incertezas e de riscos que aconteciam antes da tecnologia chegar no meio rural. Sendo assim, evidenciou-se a necessidade das organizações do agronegócio fazer melhor uso das informações de seu ambiente interno e externo.

 

THE USE OF INFORMATION AND ITS APPLICATION AS A STRATEGIC INPUT FOR AGRIBUSINESS

ABSTRACT 

The purpose of this study is to study, explore and know the Information Management and thus to carry out a detailed analysis of the importance and the influence that it exerts in supporting the management as the basis of agribusiness strategy. Information management has as a fundamental principle in agribusiness to manage information, using the information system of this form to enable the introduction of information technologies within agribusiness. The Brazilian market has undergone several modifications because of this reason Brazil becomes increasingly a world power in agribusiness. This information system is called an ordered set of hardware, software, people, and the communication networks from which data is collected and then transformed and disseminated in the form of information accurately in an organization. The information system is already part and composes several segments in business administration, mainly in decision making and in agribusiness, it has been emerging and standing out as a strong alliance as a strategic tool in social, environmental and economic environments. Agribusiness is the process by which various technologies and biotechnologies are used in agricultural production in order to reach high levels of productivity, but for this processor to succeed, it is essential to have this technology resources. The continued use of information technology has positive impacts on organizational results and contributes above all to the reduction of uncertainties and risks that occurred before the technology arrived in rural areas.

https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v7i3.267
PDF

Referências

ARAÚJO, M. J. Fundamentos de Agronegócio. São Paulo: Atlas, 2003.

_______. _______. São Paulo: Atlas, 2007.

ARRAES, N. A. M. Levantamento das aplicações das tecnologias da informação no meio rural com estudo de caso sobre a oferta de software agrícola no Estado de São Paulo. 1993. (Dissertação de Mestrado) - Faculdade de Engenharia Elétrica - Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

BATISTA, Emerson de Oliveira. Sistemas de Informação: o uso consciente da tecnologia para o gerenciamento. – 2. ed. – São Paulo: Saraiva, 2012.

BEAL, A. Gestão estratégica da informação: como transformar a informação e a tecnologia da informação em fatores de crescimento e de alto desempenho nas organizações. São Paulo: Atlas, 2004

BRUM, Argemiro Luís; TYBUSCH, Tânia M. Marques; PEREIRA, Esiom Getúlio. Os desafios gerenciais da pequena propriedade rural do Rio Grande do Sul: o caso da Região Noroeste Colonial. In: BRUM, Argemiro Luís; MULLER, Patrícia Kettenhuber (Coordenadores). Aspectos do Agronegócio no Brasil. Ijuí: Editora Unijuí, 2008, p. 31-44.

DAVENPORT, Thomas H; PRUSAK, Laurence. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. 10. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

DAVIS, J. H.; GOLDBERG, R. A.. A concept of Agribusiness. Boston: Harvard University, 1957.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Disponível em:

GRAZIANO DA SILVA, José. A nova dinâmica da agricultura brasileira. Campinas: Unicamp, 1998.

MACHADO, J.G.C.F; JORGE C.F.B.; SANTOS C.E.M. A GESTÃO DA INFORMAÇÃO E O PROCESSO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA PRODUÇÃO RURAL: UMA DISCUSSÃO PRELIMINAR. Disponível em: <http://icongresso.itarget.com.br/tra/arquivos/ser.7/8390.pdf> Acesso em: 16 agosto 2017.

MEGIDO, Jose Luiz Tejon; XAVIER, Coriolano. Marketing & agribusiness. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MENDES, Judas Tadeu Grassi; PADILHA JUNIOR, João Batista. Agronegócio: Uma Abordagem Econômica. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR. Exportações de commodities. Disponível em: < http://www.desenvolvimento.gov.br/sitio/interna/interna.php?area=5&menu=1955&refr=608> . Acesso em: 16 maio 2017.

MORAES. C. R.B.; FADEL B. GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS ORGANIZAÇÕES: PERSPECTIVAS DE USO DA METODOLOGIA SISTÊMICA SOFT (SOFT SYSTEMS METHODOLOGY) in VALENTIM, M. L. P. (Org.) Gestão, mediação e uso da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação do conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. 18. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997. 358p.

OLIVEIRA, P.; LACERDA, J. Habilidades e competências desejáveis aos profissionais de inteligência competitiva. Ciência da Informação, Brasília, v. 36, n. 2, p. 46-53, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ci/v36n2/05.pdf>. Acesso em: 17 maio 2017.

PORTER, M. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Elsevier, 1989.

RAMOS, Edla F.. Projeto Agro rede: rede de articulação de atores sociais rurais. Disponível em: <http://www.sbiagro.org.br/pdf/iii_congresso/Artigo17.pdf> Acesso em: 18 maio 2017.

SCHUMPETER, JOSEPH. Teoria do Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

VALENTIM. M. L. P.Gestão, mediação e uso da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

VIEIRA, E. P.; CARNEIRO, T. D.; FILIPIN, R. A relevância da informação contábil na gestão das empresas do agronegócio da região noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. RAC: v.14, n.27, 2015. Disponível em: < http://local.cnecsan.edu.br/revista/index.php/rac/article/view/343 > acesso em: 17 de maio 2017.

ZYLBERSZTAJN, Décio. Governando as agrocorporações. In: NEVES, Marcos Fava; ZYLBERSZTAJN, Décio; NEVES, Evaristo, Marzabal. Agronegócio do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2006, p. 36-38.

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) emhttp://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html

Downloads

Não há dados estatísticos.