A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE PESSOAS: AÇÕES CONCRETAS FAZEM ACONTECER
PDF

Palavras-chave

Inteligência Competitiva
Gestão de Pessoas
Competências de Gestão

Como Citar

Jesus, N. M. de. (2020). A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE PESSOAS: AÇÕES CONCRETAS FAZEM ACONTECER. Revista Inteligência Competitiva, 10(1), 60–73. https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v10i1.347

Resumo

Este artigo trata da Inteligência Competitiva (IC) como ferramenta de Gestão de Pessoas pela semelhança de competências e habilidades desejáveis em ambas as disciplinas. A partir de uma seletiva revisão da literatura, verificamos que IC tem participação nos mais variados processos cujo intuito está em coletar, selecionar, analisar e disseminar a informação de interesse comum ao grupo de trabalho, com transparência; a gestão que cultiva o desejo de informar, sabendo que a  comunicação interna e externa, quando espontânea, franca e rápida resultam num clima de confiança  interna e externamente quanto nas relações. Aqui, inteligência competitiva é ferramenta de gestão e poderá ser vista como um “novo” paradigma na relação entre o gestor e sua equipe. Ao adotá-la o gestor passa a ver seus colaboradores não apenas pelo cargo-função que ocupam, mas principalmente, pelas competências que exibem, com grandes possibilidades motivadoras e inovadoras tanto para o colaborador  como para a Organização.

https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v10i1.347
PDF

Referências

BERGAMINI, C. W. Liderança: administração do sentido. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

CHIAVENATO, Idalberto. Administração: teoria, processo e prática. 5.ed. Barueri: Manole, 2014. Disponível em: <https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788520445457/>. Acessado em 1 set, 2019.

CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 4.ed. Barueri: Manole, 2014. Disponível em: < https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788520445495/>. Acessado em 01 set. 2019.

CARAVANTES, G. R. Administração: teoria e processos. São Paulo: Pearson, 2008.

DUTRA, Souza, J., DUTRA, Almendra, T., DUTRA, Almendra, G. Gestão de Pessoas: realidade atual e desafios futuros. São Paulo: Atlas, 2017. Disponível em: < https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788597013320/>. Acessado em 1 set. 2019.

EPICURO, Lucrécio Cicero Seneca Aurélio. Pensadores, v. 5. São Paulo: Abril, 1973.

FIEDLER, F. E. A theory of a Leadership effectiveness. New. Yok: Mc-Graw-Hill Book Company, 1967.

JANDA, K. F. Towards the explication of concept of leadership in terms of concept of power. U. S. A: Human Relations, 1960.

JACOBS, T. O. Leadership and exchange in formal organizations. Alexandria: VA: Human Resources Organization, 1970.

KATZ, D.; Kahn, R. L. Psicologia social das organizações. São Paulo: Atlas, 1966.

KOTLER, Philip; ARMSTRONG, Gray. Princípios de marketing. Rio de Janeiro: Prentice-Hall, 1993.

MAXIMIANO, Amaru, A. C. Teoria Geral da Administração: da revolução urbana à revolução digital, 8.ed. São Paulo: Atlas, 2018. Disponível em: < https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788597012460/>. Acessado 26 ago. 2019.

MILLER, J. P. O nascimento e o crescimento do seu processo de inteligência: fatores comportamentais, culturais e estruturais. In: ________. O Milênio da Inteligência Competitiva. São Paulo: Bookman, 2002. p. 53-65.

MOTA, Fernando C. P. Teoria geral da administração: uma introdução. São Paulo: Pioneira, 1998.

PASSOS, A. MARTINI, S.M. (Orgs.) Homem no fogão e mulher na gestão. São Paulo: LTCE, 2011.

PRES COTT, J. E.; MILLER, S. H. Inteligência competitiva na prática: estudos de casos diretamente do campo de batalha. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

TAYLOR, F.W. Princípios de administração científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 1966.

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) emhttp://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html

Downloads

Não há dados estatísticos.