VANTAGENS DA IMPLEMENTAÇÃO DO CRM NA INDÚSTRIA: UMA ANÁLISE MULTICASOS
PDF

Palavras-chave

Marketing de Relacionamento
Gestão de Relacionamento com o cliente
Competitividade
Indústria
Fidelização
Marketing of relationship
Customer Relationship Management
Competitiveness
Industry
Loyalty

Como Citar

Mendonça, D. A. de, & Terra, L. A. A. (2017). VANTAGENS DA IMPLEMENTAÇÃO DO CRM NA INDÚSTRIA: UMA ANÁLISE MULTICASOS. Revista Inteligência Competitiva, 7(2), 107–132. https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v7i2.218

Resumo

No setor industrial, se sobressair aos concorrentes é um desafio, além disso, a consolidação dos métodos de produção e baixa diferenciação fazem com que estratégias focadas somente no produto gerem pouca vantagem em um mercado cada vez mais competitivo. Nesse contexto, o presente artigo busca analisar o impacto de estratégias voltadas ao relacionamento com o cliente na competitividade do setor industrial. Por meio de um estudo multicasos, através de entrevistas semiestruturadas e com auxílio do software Tropes na análise de conteúdo, identificou-se que as vantagens do CRM nas indústrias são a melhoria na eficiência do atendimento ao cliente, o aumento da fidelização e a maximização dos resultados. Dessa forma, a implementação do CRM é uma eficiente estratégia para indústrias com dificuldades em sobressair no mercado para conquistar clientes e melhorar seus resultados.

https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v7i2.218
PDF

Referências

AZEVEDO, R. C. et al. O uso de ERP e CRM no suporte à gestão da demanda em ambientes de produção Make-to-Stock. Gestão & Produção, v. 13, n. 2, p. 179–190, maio 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-530X2006000200002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 13 jun. 2016.

BECKER, J. U.; GREVE, G.; ALBERS, S. The impact of technological and organizational implementation of CRM on customer acquisition, maintenance, and retention. International Journal of Research in Marketing, v. 26, n. 3, p. 207–215, 2009. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1016/j.ijresmar.2009.03.006>.

CHERRY TREE & CO. Extended Enterprise Applications. Spotlight Report. Cherrytreeco, 2000. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2016.

COLLIS, D.; RUKSTAD, M. Você sabe dizer qual é sua estratégia. Harvard Business Review, p. 40–99, 2008. Disponível em: <https://nc400.files.wordpress.com/2012/02/collins-e-rukstad-2008-port.pdf>.

COOPER, D. R.,; SCHINDLER, P. S. Métodos de pesquisa em administração. 7. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.

DIRETOR DA EMPRESA A. Entrevista 1, concedida a Daniel Amancio de Mendonça. Ribeirão Preto, nov, 2016.

DIRETOR DA EMPRESA B. Entrevista 2, concedida a Daniel Amancio de Mendonça. Ribeirão Preto, nov, 2016.

DIRETOR DA EMPRESA C. Entrevista 3, concedida a Daniel Amancio de Mendonça. Ribeirão Preto, nov, 2016.

FERREIRA, A. A. G. As possibilidades de uso de ferramentas da informática : software para análise de dados qualitativos e ISD 1. Calidoscópio, v. 5, n. 3, p. 168–176, 2007. Disponível em: <http://revistas.unisinos.br/index.php/calidoscopio/article/view/5638/2843>.

GALBREATH, J.; ROGERS, T. Customer relationship leadership: a leadership and motivation model for the twenty‐first century business. The TQM Magazine, v. 11, n. 3, p. 161–171, jun. 1999. Disponível em: <http://www.emeraldinsight.com/doi/abs/10.1108/09544789910262734>. Acesso em: 13 jun. 2016.

GASET, J. C. O CRM não é software; é uma nova filosofia. HSM Management, v.5, n. 28, p. 116–121, 2001. Disponível em: <http://www.youblisher.com/p/852248-O-CRM-nao-e-um-Software-e-uma-nova-Filosofia/>.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: [s.n.], 1991.

GISELA, D. et al. Marketing de relacionamento (CRM): estado da arte, revisão bibliométrica da produção nacional de primeira linha, institucionalização da pesquisa no brasil e agenda de pesquisa. Revista de Administração Mackenzie - RAM, v. 16, n. 5, p. 127–160, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-69712015000500127&lang=pt>.

GODOI, Christiane Kleinübing; MELO, Rodrigo Bandeira de; SILVA, Anielson. Barbosa. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2. ed. [S.l.]: Saraiva, 2006.

GORDON, I. Customer relatioship management: Conflict to collaboration. Ivey Business Journal, v. may/jun, 2001. Disponível em: <http://iveybusinessjournal.com/publication/customer-relationship-management-from-conflict-to-collaboration/>.

GRÖNROOS, C. Defining marketing: a market-oriented approach. European Journal of Marketing, v. 23, n.1, p. 54–58, 1989. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1108/EUM0000000000541>.

HOOLEY, G. Marketing e posicionamento competitivo. São Paulo: Pearson, 2011.

KLUYVER, Cornelis A. de; PEARCE II, John A. Estratégia: uma visão executiva. 3. ed. São Paulo: Pearson, 2010. 226 p.

KOTLER, P. Administração de Marketing. 14. ed. São Paulo: Pearson, 2012.

KOTLER, P. Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1998.

KOTLER, P.; ARMSTRONG, G. Princípios de marketing. 12. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2008.

LAKATOS, E.M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LAMBERT, D. M. Supply chain management: process, partnerships, performance. Sarasota: Supply Chain Management Institute, 2004.

LOPES, H. C.; MARION, P. J. F. Estratégias e competitividade industrial: uma análise das dificuldades do setor calçadista do Vale dos Sinos (RS) a partir de suas estratégias. In: SIMPÓSIO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - SIMPEP, 13., 2006. Bauru. Disponível em: <https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwizraznvLvQAhUBkpAKHSs8AEcQFggdMAA&url=http%3A%2F%2Fwww.simpep.feb.unesp.br%2Fanais%2Fanais_13%2Fartigos%2F337.pdf&usg=AFQjCNEtlLmsdeAi8a7bhhBEqBfkIplfvA&sig2=0Sn_EqInqzr9QxPPOPUsnA>.

MANZINI, E. J. A entrevista na pesquisa social. Didática, São Paulo, v. 26/27, p. 149–158, 1991. Disponível em: <https://www.marilia.unesp.br/Home/Instituicao/Docentes/EduardoManzini/Entrevista_na_pesquisa_social.pdf>.

MCKENNA, R. Marketing de relacionamento: estratégias bem sucedidas para a era do cliente. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

MINTZBERG, H.; QUINN, J. O processo de estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MIRANDA, W. F. O Efeito da Reputação em Transações de uma Geradora e Distribuidora de Energia Elétrica: um Estudo Empírico. In: EnANPAD, 33., 2009. Disponível em: <https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwio_e-WvLvQAhUGE5AKHd3SDH8QFggbMAA&url=http%3A%2F%2Fwww.fucape.br%2F_public%2Fproducao_cientifica%2F2%2FWender%2520Miranda%2520-%2520O%2520efeito%2520da%2520reputacao.pdf&usg=AFQjCNFkYs3sAr5_eHYAmOt8xUN1JjeT6w&sig2=sBwdJMl3DuuOoYWBLrTLYw&bvm=bv.139250283,d.Y2I>.

NORRIS, G. et al. E-Business e ERP: transformando as organizações. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2001.

PAYNE, A.; FROW, P. Customer relationship management: from strategy to implementation. In: ANZMAC, 2005. Disponível em: <http://www.anzmac.org/conference_archive/2005/cd-site/pdfs/7-Business-Interaction-Rel/7-Payne.pdf>. Acesso em: 13 jun. 2016.

PEPPERS, Don; ROGERS, Martha. CRM series marketing 1 to 1: um guia executivo para entender e implantar estrategias de customer relationship management. Rio de Janeiro: Peppers Rogers Group, 2000. 77 p.

_______.; _______. Marketing 1 to 1: um guia executivo para entender e implantar estratégias de Customer Relationship Management (CRM Series). 2. ed. São Paulo: Makron Books, 2001.

PORTER, M. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2004.

PORTER, M. Towards a dynamic theory of strategy. Strategic Management Journal, v. 12, p. 95–117, 1991. Disponível em: <http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/smj.4250121008/pdf>.

RIZZO, E. Uma análise comparativa entre o marketing de massa e o “one to one”, no cenário de empresas competitivas. BOCC - Biblioteca On-line de Ciências e de Comunicação. Universidade da Beira Interior, Portugal. p. 1-20, 2005. Disponível em: <http://www.bocc.ubi.pt/pag/rizzo-esmeralda-analise-comparativa.pdf>.

STONE, M.; WOODCOCK, N.; WILSON, M. Managing the change from marketing planning to customer relationship management. Long Range Planning, v. 29, n. 5, p. 675–683, out. 1996. Disponível em: <http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/0024630196000611>. Acesso em: 13 jun. 2016.

STRAUSS, J. E-marketing. 6. ed. São Paulo: Pearson, 2012.

SWIFT, R. CRM – o revolucionário marketing de relacionamento. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

VENDEDOR DA EMPRESA A. Entrevista 4, concedida a Daniel Amancio de ¬¬¬¬¬¬¬Mendonça. Ribeirão Preto, nov. 2016.

VENDEDOR DA EMPRESA B. Entrevista 5, concedida a Daniel Amancio de ¬¬¬¬¬¬¬Mendonça. Ribeirão Preto, nov. 2016.

VENDEDOR DA EMPRESA C. Entrevista 6, concedida a Daniel Amancio de ¬¬¬¬¬¬¬Mendonça. Ribeirão Preto, nov. 2016.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) emhttp://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html

Downloads

Não há dados estatísticos.