INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO MERCADO DE BUSINESS PROCESS OUTSOURCING (BPO) : ESTUDO DE MÉTODOS APLICADOS
PDF

Palavras-chave

Inteligência Competitiva. Inteligência de Mercado. Necessidades. Fontes e produtos de informação.

Como Citar

Vidigal, F. (2016). INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO MERCADO DE BUSINESS PROCESS OUTSOURCING (BPO) : ESTUDO DE MÉTODOS APLICADOS. Revista Inteligência Competitiva, 6(2), 26–50. https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v6i2.152

Resumo

Abordou métodos de Inteligência Competitiva em uma empresa de Business Process Outsourcing (BPO). Como problema, detectou-se uma lacuna na literatura, sobretudo de Administração, envolvendo abordagens empíricas de métodos de Inteligência Competitiva. Objetivou-se investigar como são definidas as necessidades de informação, periodicidade, captação externa e interna, fontes e produtos de inteligência. Metodologicamente, a pesquisa qualitativa e descritiva envolveu entrevistas semiestruturadas com gestores de IC.  Constatou-se o uso de análises estratégicas mercadológicas, fontes de informação externas e internas, informações mapeadas de forma cíclica e por terceiros. A definição de necessidades parte da diretoria comercial, que gera produtos informacionais para a decisão estratégica.

https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v6i2.152
PDF

Referências

AGUILAR, F.J. Scanning the business environment. New York: The Macmillan Company, 1967. 125 p.

BARDIN. L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977. 234 p.

BERTERO, C. O. Rumos da estratégia empresarial. RAE Light, São Paulo: FGV, v. 2, n. 2, p. 20-25, mar.-abr. 1995

CHOO, Chun Wei. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimentos e tomar decisões. 2.ed. São Paulo: Senac, 2006. 425 p.

DAVENPORT, Thomas H. Ecologia da informação: porque só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, 1998. 231 p.

DAVENPORT, Thomas H.; HARRIS, Jeanne G. Competição analítica: vencendo através da nova ciência. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007. 215 p.

FACHINELLI, Ana Cristina et al. Inteligência Estratégica: desenvolvimento de uma escala para compreensão do construto. Revista Brasileira de Estratégia, v. 6, n. 2, p. 179-191, Maio-Agosto, 2013. Disponível em < http://www.spell.org.br/periodicos>. Acesso em 10 de Abril 2015.

FLICK, U. Entrevista episódica. In: BAUER, Martin W.; GASKELL, George (org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002. 193 p.

FULD, L. M. Inteligência Competitiva: como se manter à frente dos movimentos da concorrência e do mercado. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007. 237 p.

GIACOMELLO, C. P. Relação entre Inteligência estratégica e orientação para o mercado e seus impactos para o desempenho nas organizações. 365p. Tese de doutorado. UFRGS, 2009.

GILAD, B. Early Warning. Using competitive intelligence to anticipate market shifts, control risks and create powerful strategies. New York: AMACOM, 2003. 279 p.

LANA, Rogério Adilson. Inteligência competitiva: fator-chave para o sucesso das organizações do novo milênio. Revista Inteligência Competitiva, São Paulo, v. 1, n. 3, p. 305-327, out./dez. 2011. Disponível em: http://www.inteligenciacompetitivarev.com.br. Acesso em 20 Abril 2015.

MARIN, Jane; POULTER, Alan. Dissemination of Competitive Intelligence. Journal of Information Science, 2004. Disponível em <http://www.periodico.capes.org.br>. Acesso em 30 de novembro de 2010.

MILLER, J. P. O Milênio da Inteligência Competitiva. Porto Alegre: Bookman, 2002. 287 p.

MURPHY, C. Competitive intelligence: what corporate documents can tell you. Business Information Review, 2006. 341p.

PORTER, M. Estratégia Competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Rio de Janeiro: Campus, 1986. 257 p.

PORTER, A. L.; KONGTHON, A.; LU, J.C. Research Profiling: Improving the literature review. Scientometrics, v. 53, n. 3, 2002. p. 351-370

PRESCOTT, John E.; MILLER, Stephen H. Inteligência Competitiva na Prática. Tradução: Alexandre Feitosa Rosas. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 2002. 287 p.

ROEDEL, D. Estratégia e inteligência competitiva. In: MILLER, Jerry P. O Milênio da Inteligência Competitiva. Porto Alegre: Bookman, 2002. 256 p.

SOCIETY OF COMPETITIVE INTELLIGENCE PROFESSIONALS (SCIP). [S.D.]. SOCIETY OF COMPETITIVE INTELLIGENCE PROFESSIONALS. Disponível em <http://www.scip.org/>. Acesso em: 20 abril 2015

SUTTON, H. Competitive intelligence (Conference Board Research Report n. 913). New York: The Conference Board, 1988.

VALENTIM, Marta Ligia Pomim et al. O processo de inteligência competitiva em organizações. Revista de Ciência da Informação. Disponível em: <http://www.datagramazero.org.br>. Acesso em 20 abril 2015.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2004. 90p.

VIDIGAL, Frederico; NASSIF, Mônica Erichsen. Inteligência Competitiva: metodologias aplicadas em empresas brasileiras. Informação & Informação, [S.l.], v. 17, n. 1, p. 93-119, jul. 2012. ISSN 1981-8920. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/8744>. Acesso em: 03 Jul. 2015. doi:10.5433/1981-8920.2012v17n1p93.

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) emhttp://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html

Downloads

Não há dados estatísticos.