Balanceamento da remuneração estratégica da força de vendas como vantagem competitiva
PDF

Palavras-chave

Sistemas de remuneração nas organizações
Remuneração Estratégica
Remuneração Variável
Comissões
Loja de Calçados

Como Citar

Vieira, V. B. H. A., & Rojo, C. A. (2017). Balanceamento da remuneração estratégica da força de vendas como vantagem competitiva. Revista Inteligência Competitiva, 7(1), 262–273. https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v7i1.175

Resumo

Uma preocupação das empresas varejistas é o constante aprimoramento na forma de remuneração de seus colaboradores, tendo em vista que a satisfação da equipe tende a trazer bons resultados tanto para a empresa quanto para os colaboradores. Neste relato é apresentado a problemática de uma pequena empresa do setor de calçados, a qual enfrenta dificuldades para gerenciar a sua equipe de vendedores. Na intervenção realizada, caracterizada como uma pesquisa-ação, sugere-se a adoção de um sistema de remuneração de estratégica, resultante da combinação de benefícios financeiros e não-financeiros, com o objetivo de manter a equipe motivada, possibilitando a retenção de bons profissionais, que agreguem valor e se dediquem ao alcance dos objetivos da empresa.
https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v7i1.175
PDF

Referências

AMORIM, Daniele Vasques; FERREIRA, Rafaelli Sabino; ABREU, Nelsio Rodrigues de. Sistemas de recompensas e suas influências na motivação de servidores públicos. In: Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, 5., 2008, Resende. Anais... Resende: AEDB, 2008.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDUSTRIAS DE CALÇADOS. Cenários econômicos são pauta de encontro na Abicalçados. Abicalçados: 2014.

BERNARDI, Luiz Antonio. Manual de formação de preços: políticas, estratégias e fundamentos. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

BEUREN, Ilse Maria; VERHAGEM, José Ari. Remuneração variável incentiva a criação de folga orçamentária?. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, Rio de Janeiro, v. 9, n. 4, 2015.

CHIAVENATO, Idalberto. Recursos humanos: o capital humano das organizações. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

COBRA, Marcos. Administração de Vendas. 4. ed. 11. reimpr. São Paulo: Altas, 2007.

DUTRA, Joel S. Gestão de Pessoas: Modelo, Processos, Tendências e Perspectivas. São Paulo: Atlas, 2011.

GODOY, Arilda S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades: uma revisão histórica dos principais autores e obras que refletem esta metodologia de pesquisa em ciências sociais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63, mar./abr. 1995.

KRAUTER, Elizabeth; SOUSA, Almir F. Executive compensation and corporate financial performance: empirical evidences on Brazilian industrial companies. Journal of Modern Accounting and Auditing, v. 9, n. 5, p. 650-661, 2013.

KOTLER, Philip; ARMSTRONG, Gary. Princípios de Marketing. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

LACOMBE, Francisco. Recursos Humanos, Princípios e Tendências. São Paulo: Saraiva. 2005.

LUNKES, Rogério J.; SCHNORRENBERGER, Darci. Controladoria: na coordenação dos sistemas de gestão. São Paulo: Atlas, 2009.

MACHADO, Débora G.; BEUREN, Ilse M. Política de remuneração de executivos: um estudo em empresas industriais brasileiras, estadunidenses e inglesas. Gestão & Regionalidade, v. 30, n. 90, 2014.

MARINHO, Sidnei V.; SELIG, Paulo M. Análise comparativa do balanced scorecard com alguns dos principais sistemas de medição de desempenho. Revista Gestão Industrial, Ponta Grossa, v. 5, n. 3, p. 177-197, 2009.

MARQUAT, André; LUNKES, Rogério J.; VICENTE, Ernesto F. R. Evidenciação dos sistemas de remuneração variável nos relatórios de companhias abertas. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 8., São Paulo, 2008. Anais... São Paulo: USP, 2008.

MARRAS, Jean Pierre. Administração da remuneração. Cengage Learning Editores, São Paulo: 2002.

MARTINS, Sergio S.; BARBOSA, Allan C. Q. Participação nos lucros e ou resultados: uma forma de remuneração variável. Um estudo no setor metalúrgico da região metropolitana de Belo Horizonte. ENANPAD, Anais...Rio de janeiro, 2001.

MOURA, Luiz Rodrigo C.; VEIGA, Ricardo Teixeira; MOURA, Luiz Eduardo Leite de; CUNHA, Nina Rosa S. A GESTÃO DA FORÇA DE VENDAS: O Estudo de Caso da Rodoban. Revista Inteligência Competitiva, São Paulo, v. 2, n. 2, 2012.

ORLICKAS, João Paulo. Remuneração flexível. Porto Alegre: Bookman, 2009.

RICCO, Maria Filomena Fontes; HIPOLITO, José Antonio Monteiro. O aspecto remuneração na gestão por competência. III SEMEAD, Anais..., São Paulo: 1998.

SILVA, José Alencar da. Programa de participação nos lucros ou resultados. Revista Contexto, Porto Alegre, v. 3, n .4, 2003.

THEOTÔNIO, K.S; NETO, M.T.R; LOPES, S.A. A Remuneração No Brasil: Uma Análise Segundo Os Aspectos Legais. In: EnANPAD, 37., 2013. Rio de Janeiro. Anais...Rio de Janeiro: Anpad, 2013.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. 18. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

YOUNG, G.; BAKER, E.; BECKMAN, H. Financial incentives, professional values and performance: A study of pay-for-performance in a professional organization. Journal of Organizational Behavior, v. 33, n. 7, p. 964–983, 2012.

WANNER, Guilherme. Comissão em vendas. Disponível em: <http://www.ietec.com.br>. Acesso em: 15 fev. 2016.

WERTHER, William B. Administração de pessoal e recursos humanos. São Paulo: McGraw-Hill, 2003.

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) emhttp://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html

Downloads

Não há dados estatísticos.