ESTRATÉGIAS PARA IMPLANTAÇÃO DE UM PARQUE CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO: O CASO UPFPARQUE
PDF

Palavras-chave

Parques Científicos e Tecnológicos. Estratégia
Inovação
UPFParque
Estudo de Caso

Como Citar

Frandoloso Martins, B., Chais, C., Alves Pereira Radaelli, A., Ganzer, P. P., Munhoz Olea, P., Hermann Nodari, C., Prodanov, C. C., & Fantoni Bencke, F. (2018). ESTRATÉGIAS PARA IMPLANTAÇÃO DE UM PARQUE CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO: O CASO UPFPARQUE. Revista Inteligência Competitiva, 8(1), 169–199. https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v8i1.253

Resumo

Em um contexto marcado pela inserção do conhecimento nas atividades corporativas, no desenvolvimento de novas tecnologias e inovação, surgiram os Parques Científicos e Tecnológicos.  Devido à complexidade do processo de implantação e de operacionalização desse tipo de empreendimento, faz-se necessário estratégias alinhadas às necessidades da região na qual está inserido. O artigo objetivou identificar a estratégia utilizada para a implantação do Parque Científico e Tecnológico da Universidade de Passo Fundo (UPFParque). A metodologia aplicada caracteriza-se por ser exploratória - qualitativa; a técnica de coleta de dados foi entrevista semiestruturada; e para a análise dos dados utilizou-se análise de conteúdo. Os resultados demonstram que para a implantação do UPFParque, utilizou-se estratégias, nas quais se destacou o estreito relacionamento da Universidade com o poder público municipal, estadual e federal e a interação com o setor produtivo do Corede Produção.
https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v8i1.253
PDF

Referências

ABDALLA, M. M.; CALVOSA, M. V. D.; BATISTA, L. G. Hélice tríplice no Brasil: um ensaio teórico acerca dos benefícios da entrada da universidade nas parcerias estatais. Cadernos de Administração, v. 4, 2009.

AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABID; ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE EMPREENDIMENTOS INOVADORES - ANPROTEC. Parques Tecnológicos no Brasil: estudo, análise proposições, 2008. Disponível em: <http://www.abdi.com.br/Estudo/Parques%20Tecnol%C3%B3gicos%20>. Acesso em: 15 jul. 2014.

ALBAHARI, A. PÉREZ-CANTO, S. BARGE-GIL, A. MODREGO, A. Technology Parks versus Science Parks: Does the university make the difference? Technological Forecasting & Social Change. v. 116, p. 13–28, 2017.

ANPROTEC. ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE EMPREENDIMENTOS INOVADORES - ANPROTEC. Portfólio de Parques Tecnológicos no Brasil. São Paulo: ANPROTEC, 2008.

ANPROTEC. ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE EMPREENDIMENTOS INOVADORES - ANPROTEC. Disponível em: <http://anprotec.org.br/site/pt/incubadoras-e-parques/>. Acesso em: 19 ago. 2014.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010.

BRASIL. Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm>. Acesso em: 19 ago. 2014.

COREDE PRODUÇÃO. Disponível em: <http://www.upf.br/observatorio/index.php?option=com_content&view=article&id=11&Itemid=13>. Acesso em: 19 ago. 2014.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. The Triple Helix - University, industry, government relations: A Laboratory for Knowledge Based Economic Development. In: The Triple Helix of University, Industry, and Government Relations: the Future Location of Research Conference. Amsterdam, 1996.

ETZKOWITZ, Henry. Hélice Tríplice. Universidade-indústria-governo: inovação em movimento. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009.

FIATES, José Eduardo Azevedo. Influência dos ecossistemas de empreendedorismo inovador na indústria de Venture Capital: estratégias de apoio às empresas inovadoras. Florianópolis, 2014.

GARCIA, Francilene. Parques tecnológicos: Plataformas de apoio à inovação. Amazônia; Revista T&C Amazônia – FUCAPI, 2014. Disponível em: <http://www.fucapi.br/tec/2014/03/27/parques-tecnologicos-plataformas-de-apoio-a-inovacao>. Acesso em: 12 ago. 2014.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisas. 5. ed. São Paulo: Atlas. 2010.

HERRERA-MÁRQUEZ, J.J.; SALAS-NAVARRO, L.C.; DOMÍNGUEZ-MORÉ, G.P.; TORRES-SAUMETH, K.M. Parques científicos-tecnológicos y modelo triple-hélice. Situación del Caribe colombiano. colombiano. Entramado. v. 11, n. 2, 2015.

IASP. International Association of Science Park and Areas of Innovation. Science Park. 2012. (IASP official defini-tion) [online]. Campanillas (Málaga): IASP, s.f. Disponível em: <http://www.iasp.ws/knowledge-bites>. Acesso em 22 maio de 2017.

MCTI. Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação. 2014. Disponível em:

<http://www.mct.gov.br/upd_blob/0218/218981.pdf>. Acesso em: 20 ago. 2014.

MCTI. Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação. Portfólio dos Parques Tecnológicos no Brasil - Projetos de Alta Complexidade – Indicadores de Parques Tecnológicos, 2013.

MINTZBERG, Henry et al. O processo da estratégia: conceitos, contextos e casos selecionados. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

NEVES, José Luís. Pesquisa qualitativa, características, usos e possibilidades. Caderno de pesquisas em administração, São Paulo, v.1, n. 3, p. 1-5, ago/dez. 1996.

NOCE, Adriana Ferreira Soares. O processo de implantação e operacionalização de um parque tecnológico: um estudo de caso. Florianópolis: UFSC. 2002.

OECD. Manual de Oslo. Proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. 3. ed. FINEP – Tradução português. 2005.

PEREIRA NETO, André de Faria et al. O programa de apoio à pesquisa em empresas e o Rio inovação: uma avaliação preliminar. Inteligência empresarial, Rio de Janeiro, p. 1-11. 2004. Disponível em: <http://www6.ensp.fiocruz.br/repositorio/resource/355968>. Acesso dia 10 ago. 2014.

PORTER, Michael E. Estratégia Competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 7. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1986.

QUINN, Brian James et al. O processo da estratégia: conceitos, contextos e casos selecionados. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

QUINTAS, P.; WIELD, D.; MASSEY, D. Academic-industry links and innovation: questioning the science park model. Technovation, v. 12, n. 3, p. 161-175, 1992.

RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social, métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Editora Atlas, 1999.

RIO GRANDE DO SUL. Lei nº 10.973, de 13 de julho de 2009. Estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica, define mecanismos de gestão aplicáveis às instituições científicas e tecnológicas do Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. Disponível em:

<http://www.al.rs.gov.br/filerepository/repLegis/arquivos/13.196.pdf>. Acesso em: 10 ago. 2014.

ROESCH, Sylvia Maria Azevedo. Projetos de estágio e de pesquisa em administração. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

SCHUMPETER, Joseph Alois. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1982.

SCIT. Secretaria de Ciência Inovação e Desenvolvimento Tecnológico. Programa RS Tecnópole. 2014. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2014.

SELLTIZ, Claire et al. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: Herder, 1967.

SILVA, Anielson Barbosa da; GODOI, Christiane Kleinübing; BANDEIRA-DE-MELLO, Rodrigo. Pesquisa qualidade em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

THIOLLENT, Michel. Crítica metodológica, investigação social e enquete operária. São Paulo: Polis, 1981.

VEDOVELLO, C.; JUDICE, V.; MACULAN, A. M. Revisão crítica às abordagens a parques tecnológicos: alternativas interpretativas às experiências brasileiras recentes. RAI: Revista de Administração e Inovação. v. 3, n. 2. 58. p. 103-118, 2006.

ZALTMAN, G.; DUNCAN, R.; HOLBEK, J. Innovations and organizations. Nova York: John Wiley and Sons. 1973.

ZANCAN, Glaci. Educação científica: uma prioridade nacional. São Paulo: Perspectiva, v. 14, n. 3, jul. 2000.

ZOUAIN, D. M.; PLONSKI, G. A. Parques Tecnológicos: planejamento e gestão. Anprotec, 2006.

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) emhttp://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html

Downloads

Não há dados estatísticos.