INOVAÇÃO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA INDÚSTRIA: UMA ABORDAGEM TEÓRICA
PDF

Palavras-chave

inovação
inteligência competitiva
análise de conteúdo
indústria
Innovation
Competitive intelligence
Content analysis
Industry

Como Citar

Ganzer, P. P., Biegelmeyer, U. H., Oliveira, M., Camargo, M. E., & Olea, P. M. (2017). INOVAÇÃO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA INDÚSTRIA: UMA ABORDAGEM TEÓRICA. Revista Inteligência Competitiva, 7(2), 46–81. https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v7i2.215

Resumo

A inovação e a inteligência competitiva (IC) são construtos relacionados e que são comumente utilizados na busca de diferenciação no mercado, sendo assim, a indústria protagoniza o uso das abordagens em seu contexto de mercado. O objetivo da pesquisa foi relacionar as abordagens dos artigos selecionados a fim de comparar as semelhanças e discrepâncias entre constructos teóricos envolvendo inovação e inteligência competitiva na indústria. A partir da definição das abordagens, o método de pesquisa utilizado se classifica de natureza aplicada, com abordagem qualitativa, de objetivo exploratório e descritivo, tendo como procedimento técnico a análise bibliográfica. Os resultados da análise permitiram identificar que a inteligência competitiva e a inovação no setor industrial estão relacionadas com os construtos:  aprendizagem, devido a um conjunto de procedimentos para coleta e análise de informação sobre o macro ambiente, que permitiriam à organização um processo de aprendizagem contínuo; capacidades dinâmicas, no conhecimento e as habilidades antes na forma individual e coletiva possuem nível de base para o desenvolvimento de capacidades dinâmicas; no comportamento, da empresa na busca pelo êxito de entrada no mercado de uma indústria de alta tecnologia no mercado interno; no conhecimento, a IC gera conhecimento para a tomada de decisão estratégica, pois a informação que fornece permite obter respostas em tempo real; competitividade, nos produtos; a criatividade no trabalho, feedback em questão de retorno sobre execução de atividades de inteligência; o gerenciamento de risco, inserido na complexidade de negócios, repleto de ameaças provenientes de fontes naturais, políticos, econômicos e técnicos; a informação, como sendo parte do desenvolvimento da inteligência; o marketing, na gestão de marketing que engloba canal de distribuição, promoção, branding, e gestão de informações; a pesquisa e desenvolvimento, a fim de se obter resultados econômicos; a Resource-Based View (RBV) e vantagem competitiva, direcionada ao recurso humano da empresa, sendo estas, abordagens teóricas utilizadas para embasar as pesquisas realizadas no setor industrial em seus diversos segmentos.

https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v7i2.215
PDF

Referências

BRODY, R. Issues in defining competitive intelligence: an exploration. Journal of Competitive Intelligence and Management, v. 4, n. 3, Editorial Board, p.3-16, 2008.

CALOF, J. L.; WRIGHT, S. Competitive intelligence: a practitioner, academic and inter-disciplinary perspective, European Journal of Marketing, v. 42, p. 717-730, 2008.

CNI, Confederação Nacional da Indústria. O que a CNI faz. Disponível em: <http://www.portaldaindustria.com.br/>. Acesso em: 15 set. 2013.

DAFT, Richard L. A dual-core model of organizational innovation. Academy of Management Journal, vol. 21, n. 2, p. 193-210, 1978.

ELSERVIER. Scopus. Disponível em: <http://www.americalatina.elsevier.com/corporate/scopus.php>. Acesso em: 28 out. 2013.

FACHIN, O. Fundamentos de metodologia. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2006. 200 p.

FAGERBERG, Jan. Innovation: a guide to the literature. In: Jan Fagerberg, David C. Mowery e Richard R. Nelson (Eds.). The Oxford Handbook of Innovation. Oxford: Oxford University Press, p. 1-27, 2005.

FIGUEIREDO, Paulo N. Gestão da inovação: conceitos, métricas e experiências de empresasno Brasil. Rio de Janeiro: LTC, 2009.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004. x, 312 p.

FREEMAN, Christopher. Innovation, changes of techno-economic paradigm and biological analogies in economics. Revue Économique, vol. 42, n. 2, p. 211-231, 1991.

FULD, L. M. The New Competitor Intelligence: the complete resource for finding, analyzing, and using information about your competitors. New York: John Wiley & Sons, Inc. p. 23 - 27. 1994.

GARCIA, T. D. Seminário de Inteligência Competitiva: informação e conhecimento. México: Innestec. p. 21, 1997.

GANESH, U; MIREE; Cynthia, E; PRESCOTT, J. Competitive Intelligence Field Research: Moving the Field forward by setting a Research Agenda. Journal of Competitive Intelligence and Management. v. 1, n. 1, 2003.

IBGE, Indicadores da indústria. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/industria/pimpfbr/pim-pf-br_201309comentarios.pdf>. Acesso em: 15 nov. 2013.

ISIDRO FILHO, Antonio; GUIMARÃES Tomás de Aquino. Conhecimento, Aprendizagem e Inovação em Organizações: Uma Proposta de Articulação Conceitual. Revista de Administração e Inovação. São Paulo, v. 7, n. 2, p. 127-149, abr./jun. 2010.

LOHMANN, Paola. A inovação do turismo no Brasil: os desafios na construção de sua

trajetória. Observatório de Inovação do Turismo - Revista Acadêmica. vol. VII, n. 2, Rio de Janeiro, Abr. 2012.

MARTINO, J. P. A review of selected recent advances in technological forecasting. Technological Forecasting and Social Change, n. 70, p. 719-733, 2003.

MEADOWS, A. J. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos, 1999.

NELSON, Richard R.; WINTER, Sidney G. Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Campinas-SP: Editora da UNICAMP, 2005.

PAVITT, Keith. Innovation process. In: Jan Fagerberg, David C. Mowery e Richard R. Nelson (Eds.). The Oxford Handbook of Innovation. Oxford: Oxford University Press, p. 86-114, 2005.

PORTER, M. E. 1980. Competitive strategy: techniques of analyzing industries and competitors. The Free Press: New York NY.

PORTER, A. L.; KONGTHON, A.; LU, J.C. Research Profiling: Improving the literature review. Scientometrics, v. 53, n. 3, p. 351-370, 2002.

RODRIGUES, M. P. Estudo das citações constantes das dissertações de mestrado em ciência da informação do IBICT/UFRJ. 1981. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação), Curso de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1981.

SCHUMPETER, Joseph A. A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

STEINER, Carol J. A philosophy for innovation: the role of unconventional individuals in innovation success. Journal of Product Innovation Management, vol. 12, p. 431-440, 1995.

STREHL, L. O Fator de Impacto do ISI e a avaliação da produção científica: aspectos conceituais e metodológicos. Ciência da Informação, Brasília, v. 34, n. 1, p. 19-27, jan./abr. 2005.

TANEV, Stoyan; BAILETTI, Tony. Competitive intelligence information and innovation in small Canadian firms. European Journal of Marketing. vol. 42 n. 7/8, p. 786-803. 2008.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

UCS - Universidade de Caxias do Sul. Biblioteca Virtual - Bases de Dados. Disponível em:

<http://www.ucs.br/site/biblioteca/bases-de-dados/biblioteca-bases-de-dados/ciencias-sociais-e-aplicadas/>. Acesso em: 06 out. 2013.

WOLFE, Richard A. Organizational innovation: review, critique and suggested research directions. Journal of Management Studies, v. 31, n. 3, p. 405-431, 1994.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Bookman, 2010.

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) emhttp://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html

Downloads

Não há dados estatísticos.