APRENDIZAGEM E GERAÇÃO X e Y: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA
PDF

Palavras-chave

Aprendizagem
Gerações x e y
Organizações

Como Citar

Bortoluzzi, F. R., Back, G. D., & Olea, P. M. (2016). APRENDIZAGEM E GERAÇÃO X e Y: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA. Revista Inteligência Competitiva, 6(3), 64–89. https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v6i3.169

Resumo

O objetivo deste trabalho é aprofundar a discussão sobre como as gerações X e Y aprendem no contexto organizacional, tendo em vista o cenário competitivo e a necessidade de desenvolvimento gerencial. Para isso utilizou-se a metodologia de uma revisão sistemática da literatura. Como base de dados para a pesquisa foram utilizadas os meta buscadores: web of science e scopus. Entre os resultados obtidos, dezoito estudos são referentes à temática pesquisada. Para a análise dos resultados os artigos foram categorizados em: e-learning, aprendizagem organizacional, estilos de aprendizagem e aprendizagem social.

https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v6i3.169
PDF

Referências

AGUIAR M., Psicologia Aplicada à Administração: uma introdução à psicologia organizacional, São Paulo, Atlas, 1989.

AHMAD, Mohd Amin; TARMUDI, Shafiee Md. Generational Differences in Satisfaction with E-Learning among Higher Learning Institution Staff. 3rd International Conference On E-learning (icel 2011), Indonesia, v. 67, p.304-311, 2012.

ALSOP, R. The Trophy Kids Grow Up: How the millennial generation is shaking up the workplace. EUA: Jossey-Bass, 2008.

ALLERTON, H. E. Generation why. Training & Development, v. 55, p.1-56, nov 2001.

BANDURA, A. Social Foundations of thought and action: A social Cognitive Theory. Englewood Cliffs, New Jersey: Prentice-Hall Inc., 1986.

BATISTA, F. H. A. Grupos gerenciais e o comprometimento organizacional: um estudo em uma empresa metalúrgica de Caxias do Sul. Dissertação (Mestrado) – PPGA - UCS. Caxias do Sul, 2010.

BELL, J.A., Five generations in the nursing workforce: Implications for nursing professional development, Journal for Nurses in Professional Development, Scopus, pp. 205-210, 2013.

BENSON, S. D. Generation gap. American Nurseryman. n.192, p. 4-10, 2000.

BRACE-GOVAN, J., More diversity than celebrity: A typology of role model interaction, Journal of Social Marketing, Scopus, pp. 111-126, 2013.

CADMUS, E., Succession planning: Multilevel organizational strategies for the new workforce, Journal of Nursing Administration, Scopus, pp. 298-303, 2010.

CASTRO, A. A. Curso de revisão sistemática e metanálise. São Paulo: LED-DIS/UNIFESP, 2006.

CONNOR, Joseph P; TROENDLE, Karen. Perspectives on the Dental School Learning Environment: Putting Theory X and Theory Y into Action in Dental Education. Journal Of Dental Education, Texas, v. 72, n. , p.1436-1439, dez. 2008.

COSTELLO, B; LENHOLT, R; STRYKER, J. Using blackboard in library instruction: Addressing the learning styles of Generations X and Y. Journal Of Academic Librarianship, Deland, v. 30, p.452-460, nov. 2004.

DE GUZMAN STRONG, C., CORNELIUS, L.A. Preparing the next generation in academic medicine: Recruiting and retaining the best, Journal of Investigative Dermatology,), Scopus, pp. 1018-1025, 2012.

DIBELLA, A. J.; NEVIS, E. C. Como as Organizações Aprendem: Uma Estratégia Integrada voltada para a construção da Capacidade de aprendizagem. São Paulo: Educator, 1999. p. 228.

D'SOUZA, Newton; YOON, So-yeon; ISLAM, Zahidul. Understanding design skills of the Generation Y: An exploration through the VR-KiDS project.Design Studies, Columbia, v. 32, p.180-209, mar. 2011.

FLEURY, A., FLEURY, M. Aprendizagem e Inovação Organizacional, São Paulo: Atlas, 1997.

FORQUIN, J. C. Relações entre gerações e processos educativos: transmissões e transformações. Congresso Internacional Co-Educação de Gerações, São Paulo, SESC, outubro de 2003.

GALLO, Ana-maria. Beyond the Classroom Using Technology to Meet the Educational Needs of Multigenerational Perinatal Nurses. Journal Of Perinatal & Neonatal Nursing, Califórnia, v. 25, p.195-199, jun. 2011.

HUMAN, D., TERBLANCHE, N.S., Who Receives What? The Influence of the Donation Magnitude and Donation Recipient in Cause-Related Marketing, Journal of Nonprofit and Public Sector Marketing, pp. 141-160, 2012.

LANDER, C., Generations X & Y: Motivating and engaging young employees Canadian Consulting Engineer, Scopus, pp. 79-80, 2006.

MENDES, A. L. L.; FRACOLLI, L. A. Revisão sistemática de literatura e metassíntese qualitativa: considerações sobre sua aplicação na pesquisa em enfermagem. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 17, n. 4, p. 771-779, out./dez. 2008

MILLER, S W. Teaching geriatrics to generation Y. American Journal Of Pharmaceutical Education, v. 68, n. 67, p.1-9, 2004.

NICHOLS, M. A theory of eLearning. Educational Technology & Society, 6, 2, 1−10, 2003.

NONAKA, I., TAKEUCHI, H., Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus,1997.

RHODE, J. F. Interaction equivalency in self-paced online learning environments: An exploration of learner preferences. The International Review of Research in Open and Distance Learning, 10, 1, 2009.

ROTHER, E. T. Revisão sistemática x revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 20, n. 2, p. v-vi , jun. 2007.

RUAS, R. Gestão por competências: uma contribuição à estratégia das organizações. In: RUAS, R.; ANTONELLO, C.S.; BOFF, L.H. (orgs). Os Novos Horizontes da Gestão: Aprendizagem Organizacional e Competências. Porto Alegre: Bookman, 2005.

SANDERSON, H. Using Learning Styles in Information Literacy: Critical Considerations for Librarians. The Journal of Academic Librarianship, v 37, n 5, 2011

SANTOS, A. L. A geração Y nas organizações complexas: um estudo exploratório sobre as gestões dos jovens nas empresas. São Paulo: USP, 2011.

SCHUCK, Gloria. Tecnologia inteligente, operários inteligentes. Uma nova pedagogia para o local de trabalho high-tech. In: STARKEY,Ken (org.). Como as organizações aprendem. São Paulo: Futura, 1997.

SMOLA, K. W.; SUTTON, C. D. Generational Differences Revisiting Generational ork alues for the New Millennium. Journal of Organizational Behavior, v. 23, n. 4, 2002.

SINCLAIR, Rose. Exploring Textiles Futures: Textiles And Fashion Education For Generation X, Y And Z, Negotiating The Digital Transition. 86th Textile Institute World Conference, Vol 2, Conference Proceedings, Hong Kong, p.1-137, 2008.

STEVENS, Roger J. G.; HAMILTON, Neil M. Is There a Digital Generation Gap for E-Learning in Plastic Surgery? Journal Of Surgical Education, Ireland, v. 69, p.344-349, jun. 2012.

TAVANGARIAN, D., LEYPOLD, M. E., NÖLTING, K., RÖSER, M., VOIGT, D. Is e-Learning the solution for individual learning? Electronic Journal of e-Learning, 2(2), 273−280, 2004.

TRIACCA, L., BOLCHINI, D., BOTTURI, L., INVERSINI, A. Mile: Systematic usability evaluation for e-Learning web applications. AACE Journal, 12, 4, 2004.

VELOSO, E. F. R. et al. Percepção sobre carreiras inteligentes: diferenças entre as gerações Y, X e Baby Boomers. In: Anais ENCONTRO ANUAL DA ANPAD, 32. Belo Horizonte, 2008. Belo Horizonte: ANPAD, 2008.

VENNE, Vickie L.; COLEMAN, Darrell. Training the Millennial Learner Through Experiential Evolutionary Scaffolding: Implications for Clinical Supervision in Graduate Education Programs. Journal Of Genetic Counseling, Salt Lake, v. 19, p.554-569, dez. 2010.

WENGER, E. Communities of Practice and Social Learning Systems. In: NICOLINI, D.; GHERARDI, S.; YANOW, D. Knowing in Organizations: A Practice-Based Approach. New York: M.E.Sharpe, 2003.

WILLIAMSON, K., BANNISTER, M, SULLIVAN, J., The crossover generation: Baby boomers and the role of the public library, Journal of Librarianship and Information Science, Scopus, pp. 179-190, 2010.

ZEMKE, R. O. Respeito às gerações. In: MARIANO, S. R. H.; MAYER, V.F (org.). Modernas práticas na gestão de pessoas. Rio de Janeiro: Elsevier, p. 51-55, 2008.

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) emhttp://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html

Downloads

Não há dados estatísticos.