PERCEPÇÃO E AQUISIÇÃO DAS COMPETÊNCIAS ADQUIRIDAS DURANTE A GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO
PDF

Palavras-chave

Competências individuais
Competências organizacionais
Graduação em Administração.

Como Citar

Chais, C., Radaelli, A. A. P., Silva, O. T. da, Camargo, M. E., Dorion, E. C. H., & Olea, P. M. (2019). PERCEPÇÃO E AQUISIÇÃO DAS COMPETÊNCIAS ADQUIRIDAS DURANTE A GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Revista Inteligência Competitiva, 9(1), 73–93. https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v9i1.311

Resumo

Este estudo teve como objetivo identificar as percepções dos alunos formandos e formados a respeito das competências desenvolvidas no Curso de Graduação em Administração, em diferentes IESs no Rio Grande do Sul. Este estudo foi realizado a partir do trabalho de Godoy et al. (2005) e Bitencourt e Klein (2007). Para tanto, foi realizada uma pesquisa survey com uma amostra de 153 respondentes a qual foi analisada utilizando-se a análise multivariada, utilizando a correlação e análise fatorial confirmatória, nas quais permitiram a identificação de seis fatores: solução de problemas; autodesenvolvimento; competências técnico-profissional; raciocínio lógico e analítico; competências de ética e valores; e relacionamento interpessoal e comunicação. Com base nos resultados, foi possível identificar que além das competências organizacionais envolvendo solução técnicas e raciocínio lógico, há também o desenvolvimento de competências sociais conforme respostas dos formandos e formados.
https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v9i1.311
PDF

Referências

REFERÊNCIAS

ANSOFF, H, Igor. DECLERCK, P. Roger, HAYES, L. Robert. Do Planejamento Estratégico a Administração Estratégica. São Paulo: Atlas, 1990.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BESANKO, D. A economia da estratégia. Porto Alegre: Bookman, 2006.

BITENCOURT, Cláudia Cristina; KLEIN, Maria Josefina. Desenvolvimento de competências: a percepção dos egressos do curso de graduação em administração. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO - EnANPAD,31., 2007, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: ANPAD, 2007.

CASTELLS, M. A era da informação: economia, sociedade e cultura. 2. ed. v. 3. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CHURCHILL J.; PETER, J. P. Marketing: criando valor para os clientes. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2000.

DRUCKER, P, F. O melhor de Peter Drucker: obra completa. São Paulo: Nobel, 2002.

FLEURY, Afonso; FLEURY, Maria Teresa Leme. Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra-cabeça caleidoscópico da indústria brasileira. São Paulo: Atlas, 2007.

GOLEMAN, Daniel. What makes a leader? Harvard Business Review, January, 2004.

GODOY, A.; SANTOS, N.; FORTE, D.; CARVALHO FILHO, A. GHOBRIL, A.; MASMO, P. Competências Adquiridas durante os anos de Graduação: um estudo de caso a partir das opiniões de alunos formandos de um curso de Administração de Empresas. Anais do XXIX ENANPAD, Brasília, 2005.

HAIR, J. BABIN, B.; MONEY, A.; SAMOUEL, P. Fundamentos de Métodos de Pesquisa em Administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HAIR, Joseph F. et al. Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HAX, C. A; MAJLUF, S. N. Strategy and the strategy formation process. Sloan School of Management-MIT, August, 1986.

HITT, A. M; IRELAND, R. D.; HOSKISSON, R. Administração estratégica. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

LONGENECKER, J. G.; MOORE, C. W; PETTY, J, W. Administração de pequenas empresas. São Paulo: Makron Books, 1997.

NONAKA, I; TOYAMA, R. A firm as a dialectical being: towards a dynamic theory of a firm. Industrial and Corporate Change. v. 11. n. 5, p. 995-1009, 2002.

NONAKA, I. A dynamic theory of organizational knowledge creation. Organization Science, n. 5, v. 1, p. 14-37, 1994.

OLIVEIRA, L, S. Sociologia das organizações: uma análise do homem e das empresas no ambiente competitivo. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2002.

PENNINGS, J. M.; HARIANTO, F. The diffusion of technological innovation in the commercial banking industry. Strategic Management Journal, v. 13, p. 29-46, 1992.

PESTANA, Maria Helena; GAGEIRO, João Nunes. Análise de dados para ciências sociais: a complementariedade do SPSS. 4. ed. rev. e aum. Lisboa, Portugal: Sílabo, 2005.

PORTER, M. Competição Estratégias competitivas essenciais. 14. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1999.

PRAHALAD, C. D; HAMEL, G. The core competence of the Corporation. Harvard Business Review, Boston, v. 68, n. 3, p. 79-91, May-June, 1990.

RESOLUÇÃO CNE/CES 4/2005. Diário Oficial da União. Brasília, 19 de julho de 2005, seção 1, p. 26 ou acesso ao site www.portal.mec.gov.br/cne

RUAS, R. L. et al. Linking the corporate and the managerial competencies: a field experimente. ANNUAL CONFERENCE OF THE BUSINESS ASSOCIATION OF LATIN AMERICAN SUDIES, 2001, San Diego. Anais...San Diego: BALAS, Abr. 2001.

SANTOS, C. Estatística descritiva: manual de autoaprendizagem. Lisboa, Edições Silabo, 2007.

SIMSEK, Z; HEAVEY, C. The mediating role of knowledg-based capital for corporate entrepreneurship effects on performance: a study of small-to médium-sized firms. Strategic Entrepreneurship Journal. v. 5, n. 1, p. 81-100, Mar, 2011.

TIDD, J; BESSANT, J; PAVITT, K. Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

WHITLEY, R. The institutional structuring of innovation strategies: business systems, firm types and patterns of technical change in diferent Market economies. Organization Studies, n. 21, v. 5, p. 885-886, September, 2015.

ZARIFIAN, Philippe. O modelo da competência: trajetória histórica, desafios atuais e propostas. Trad Eric R. R. Heneault. São Paulo: Senac, 2003.

ZALEZNIK, Abraham. Managers and leaders: are they different? Harvard Business Review, January, p. 74-81, 2004.

VON KROGH, G.; ICHIJO, K.; NONAKA, I. Enabling knowledge creation: how to unlock the mystery of tacit knowledge and release the power of innovation. New York: Oxford University Press, 2000.

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) emhttp://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html

Downloads

Não há dados estatísticos.