Comprometimento Organizacional: Estudo do Modelo Tridimensional em uma Cooperativa de Crédito na Capital Gaúcha
PDF

Palavras-chave

Comprometimento Organizacional
Gestão de pessoas

Como Citar

Bassani, S. C. T. de O., Bernardi, F. C., Dalberto, M., Camargo, M. E., & Biegelmeyer, U. H. (2017). Comprometimento Organizacional: Estudo do Modelo Tridimensional em uma Cooperativa de Crédito na Capital Gaúcha. Revista Inteligência Competitiva, 7(1), 1–43. https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v7i1.195

Resumo

Diante da competitividade existente no mercado e das dificuldades relacionadas à gestão de pessoas, a análise do comprometimento organizacional tem se tornado relevante para as organizações que almejam crescimento sustentável. O comprometimento no ambiente do cooperativismo é particular, haja vista a dupla natureza das cooperativas, sendo estas, ao mesmo tempo, entidade social e empresa inserida no mercado, necessitando de colaboradores na gestão qualificados e que ao mesmo tempo ponderem quanto aos princípios da filosofia cooperativista da instituição. Desta forma, o sentimento de compromisso para com o desempenho da cooperativa pode ser direcionado a partir de estratégias de gestão de pessoas adequadas, desde que estas contemplem o conhecimento acerca das variáveis que mais contribuem para a geração deste sentimento em seus colaboradores. A partir disso, o estudo pretende identificar a dimensão de comprometimento predominante nos colaboradores da região de Porto Alegre em uma cooperativa de crédito, com base no modelo tridimensional proposto por Meyer e Allen (1991), buscando conhecer as variáveis que podem influenciá-lo, apresentando ainda sugestões de melhoria a partir destes resultados. Para tanto, o estudo teve como metodologia a pesquisa descritiva, por meio do estudo de caso, com abordagem quantitativa, utilizando-se um instrumento já validado cientificamente, junto a um grupo de 115 colaboradores ativos da cooperativa. Os resultados apontam a existência do alto grau do componente afetivo, destacando-se ainda, as variáveis interesse pela empresa e orgulho de pertencer.

https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v7i1.195
PDF

Referências

ARAÚJO, S. M. Comprometimento organizacional à luz do modelo conceitual das três dimensões de Meyer e Allen: um estudo de caso no IFRN– Campus Natal/Central. 2010. 93 f. Dissertação (Mestrado em Administração) — Universidade Potiguar, Natal, 2010.

BANDEIRA, M. L.; MARQUES, A. L.; VEIGA, R. T. As dimensões múltiplas do comprometimento organizacional: um estudo na ECT/MG. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 4, n. 2, p. 133-157, maio/ago. 2000.

BASTOS, A. V. B. Comprometimento organizacional. In: SIQUEIRA, M. M. et al. Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e gestão. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 49-95.

BATEMAN, T.S.; SNELL, S.A. Administração: liderança e colaboração no mundo competitivo. 7. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2007.

BRASIL COOPERATIVO. Relatório OCB – 2014. Disponível em: <http://www.brasilcooperativo.coop.br/site/agencia_noticias/noticias_detalhes.asp?CodNoticia=17632>. Acesso em: 1 nov.2015.

CHIES, P. V. Identidade de gênero e identidade profissional no campo de trabalho. Revista Estudos Femininos, Florianópolis, v. 18, n. 2. p. 507-528, maio/ago. 2010. COHEN, A.; FINK, S. Comportamento organizacional: conceitos e estudos de caso. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

FEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BANCOS — FEBRABAN. Busca banco. Disponível em:. Acesso em: 1 jul. 2015

GALLUP. Mundo: o estado do ambiente de trabalho global. 2013. Disponível em: <http://www.gallup.com/poll/165269/worldwide-employees-engaged-work.aspx>. Acesso em: 1 jul. 2015.

HAIR, J. F. Fundamentos de pesquisa de marketing. Porto Alegre: Bookman, 2010.

HAIR, J. F. et al. Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HAY GROUP. Engajamento do funcionário. Disponível em: <http://www.haygroup.com/br/services/index.aspx?id=7998>. Acesso em: 07 nov. 2015.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2012.

MALTIN, E. R.; MEYER, J. O comprometimento e o bem-estar dos empregados. In: ROJOT, J.; ROUSSEL, P.; VANDENBERGHE, C. Comportamento organizacional: teorias das organizações, motivação no trabalho, comprometimento organizacional. Lisboa: Instituto Piaget, 2013. v. 3, p. 407-436.

MANSOUR, J. B.; CHINIARA, M.; BENTEIN, K. O comprometimento para com o grupo de trabalho e o superior. In: ROJOT, J.; ROUSSEL, P.; VANDENBERGHE, C. Comportamento organizacional: teorias das organizações, motivação no trabalho, comprometimento organizacional. Lisboa: Instituto Piaget, 2013. v. 3, p. 365-405.

MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing: edição compacta. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

MEYER,J,P; ALLEN, J, P. A three component conceptualization of organizational commitment. Human Resource Management Review, v. 1, p. 61-89, 1991.

ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS — OCB. Cooperativismo. 2015. Disponível em:<http://www.ocb.org.br/site/cooperativismo/index.asp>. Acesso em: 1 jul.2015.

ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS — OCB. Panorama do cooperativismo brasileiro. 2011. Disponível em:<http://www.ocb.org.br/gerenciador/ba/arquivos/panorama_do_cooperativismo_brasileiro_2011.pdf>. Acesso em: 1 jul.2015.

ROCHA, A.C.et al. Estudo do comprometimento organizacional em uma cooperativa de crédito. Revista Espacios, v. 3, n. 5, p. 9, maio 2012. Disponível em:<http://www.revistaespacios.com/a12v33n05/12330409.html#uno>. Acesso em: 01 jul. 2015.

ROCHA, S. A inserção dos jovens no mercado de trabalho. Cadernos CRH, Salvador, v. 21, n. 54, p. 9-12, set./dez. 2008.

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL - OCERGS. História do cooperativismo. Disponível em: <http://www.ocergs.coop.br/cooperativismo/historia-do-cooperativismo50>. Acesso em: 01 jul. 2015.

SIQUEIRA, M. M. Novas medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed, 2014.

SIQUEIRA, M. M. et al. Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico de gestão. Porto Alegre: Artmed, 2008.

SPECTOR, P. E. Psicologia nas organizações. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

SPECTOR, P. E. Psicologia nas organizações. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

STECCA, J. P. Estratégias genéricas na gestão de pessoas e comprometimento organizacional: um estudo em sociedades cooperativas de crédito. 2014. 144 f. Tese (Doutorado em Ciências)— Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

STEFANO, S.R. et al. Práticas de benefícios sociais nas organizações: desafios na gestão de pessoas. Revista Cesumar – Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, Maringá, v. 19, n. 1, p. 65-88, jan./jun. 2014.

VANDENBERGHE, C.; LANDRY, G.; PANACCIO, A. O comprometimento organizacional. In: ROJOT, J.; ROUSSEL, P.; VANDENBERGHE, C. Comportamento organizacional: teorias das organizações, motivação no trabalho, comprometimento organizacional. Lisboa: Instituto Piaget, 2013. v. 3, p. 325-405.

VIRGILITTO, S. B. Pesquisa de marketing: uma abordagem quantitativa e qualitativa. São Paulo: Saraiva, 2010.

WAGNER, J. A.; HOLLENBECK, J. R. Comportamento organizacional: criando vantagem competitiva. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

YIN, R.K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) emhttp://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html

Downloads

Não há dados estatísticos.