CAPITAL HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES INTENSIVAS EM CONHECIMENTO: DESAFIOS E PERSPECTIVAS
PDF

Palavras-chave

Capital Humano. Organizações Intensivas em Conhecimento. Profissionais de TI.

Como Citar

Bortoluzzi, F. R., Genari, D., & Macke, J. (2018). CAPITAL HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES INTENSIVAS EM CONHECIMENTO: DESAFIOS E PERSPECTIVAS. Revista Inteligência Competitiva, 8(1), 44–79. https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v8i1.246

Resumo

O constructo capital humano contempla o conjunto de habilidades, capacidades e conhecimentos de cada trabalhador e pode favorecer a produtividade, a inovação e o desempenho corporativo. A importância deste elemento se amplia nas empresas vinculadas à tecnologia da informação (TI), uma vez que estas são consideradas organizações intensivas em conhecimento (OICs). A partir destas perspectivas, o presente estudo objetiva caracterizar os profissionais de TI, inseridos em organizações intensivas em conhecimento, e verificar os aspectos relacionados à aquisição de capital humano pelos referidos profissionais. Para tanto, desenvolveu-se uma pesquisa de cunho qualitativo e quantitativo, nas empresas vinculadas à INTERNETSUL. Como principais resultados, identificou-se características importantes vinculadas ao perfil dos profissionais de TI, tais como, conhecimentos específicos na área, comprometimento, vontade de aprender e visão sistêmica. Além disso, verificou-se que os profissionais mais jovens aprimoram-se através da educação formal em maior proporção, se comparados aos indivíduos com maior idade. Embora os resultados da pesquisa assinalem um distanciamento entre a formação oferecida nas universidades e as necessidades do mercado de trabalho, percebeu-se que os profissionais buscam este tipo de formação como a principal forma de aquisição de capital humano.

https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v8i1.246
PDF

Referências

AFONSO, C. W.; CALADO, L. R. Organizações intensivas do conhecimento e sua relação com as estratégias de marketing. Revista de Administração, v. 46, n. 2, p. 150-160, 2011.

ALMEIDA, R.; CARNEIRO, P. The return to firm investments in human capital. Labour Economics, v. 16, n. 1, p. 97-106, 2009.

BANERJEE, P. M. Sustainable human capital: product innovation and employee partnerships in technology firms. Cross Cultural Management: An International Journal, v. 20, n. 2, p. 216-234, 2013.

BAPNA, R.; LANGER, N.; MEHRA, A.; GOPAL, R.; GUPTA, A. Human capital investments and employee performance: an analysis of IT services industry. Management Science, v. 59, n. 3, p. 641-658, 2013.

BARDIN, L. Análise de conteúdo.4. ed. Paris: PUF, 2009.

BECKER, G. S. Human capital a theoretical and empirical analysis, with special reference to education. New York: Columbia University Press, 1964.

BELL, M.; ALBU, M. Knowledge systems and technological dynamism in industrial clusters in developing countries. World development, v. 27, n. 9, p. 1715-1734, 1999.

BELL, J.; CRICK, D.; YOUNG, S. Small firm internationalization and business strategy an exploratory study of ‘knowledge-intensive’and ‘traditional’manufacturing firms in the UK. International Small Business Journal, v. 22, n. 1, p. 23-56, 2004.

BONTIS, N. Assessing knowledge assets: a review of the models used to measure intellectual capital. International Journal of Management Reviews, v. 3, n. 1, p. 41-60, 2001.

BORGHANS, A. H.; FOUARGE, D. J.; DE GRIP, A.; THOR, J. A. Werken en leren in Nederland. Researchcentrum voor Onderwijs en Arbeidsmarkt (ROA): Maastricht University, 2014.

CEDEFOP. Prevenir la obsolescencia de competencias. Centro Europeo para el Desarrollo y Formación Profesional. 2012. Disponível em: https://www.sepe.es/contenidos/personas/formacion/refernet/pdf/NIjulio2012.pdf. Acesso em: 28/09/2016.

CHOO, C. W. The knowing organization: how organizations use information to construct meaning, create knowledge and make decisions. 2. ed., New York: Oxford University Press, 2006.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Tradução Luciana de Oliveira da Rocha. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DARNIHAMEDANI, P.; HESSELS, J. Human Capital as a Driver of Innovation Among Necessity-Based Entrepreneurs. International Review of Entrepreneurship, v. 14, n. 1, 2016.

DE GRIP, A.; VAN LOO, J. The economics of skills obsolescence: a review. In: DE GRIP, A.; VAN LOO, J.; MAYHEW, K. (ed.). The Economics of Skills Obsolescence: research in labor economics. Amsterdam: Elsevier, 2002, p. 1-26.

DE GRIP, A.; SMITS, W. What affects lifelong learning of scientists and engineers?. International Journal of Manpower, v. 33, n. 5, p. 583-597, 2012.

FELÍCIO, J. A.; COUTO, E.; CAIADO, J. Human capital, social capital and organizational performance. Management Decision, v. 52, n. 2, p. 350-364, 2014.

FIELD, A. Descobrindo a estatística usando o SPSS. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GIBBS, G. Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Bookman, 2009.

GOULD, D. M.; RUFFIN, R. J. What determines economic growth?. Economic Review-Federal Reserve Bank of Dallas, p. 25, 1993.

HAIR, J. F.; BLACK, W. C.; BABIN, B. J.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L. Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HATCH, N. W.; DYER, J. H. Human capital and learning as a source of sustainable competitive advantage. Strategic Management Journal, v. 25, n. 12, p. 1155-1178, 2004.

KREDLER, M. Experience vs. obsolescence: A vintage-human-capital model. Journal of Economic Theory, v. 150, p. 709-739, 2014.

LAI, K. W.; KHADDAGE, F.; KNEZEK, G. Blending student technology experiences in formal and informal learning. Journal of Computer Assisted Learning, v. 29, n. 5, p. 414-425, 2013.

LUNDVALL, B. Å.; JOHNSON, B.; ANDERSEN, E. S.; DALUM, B. National systems of production, innovation and competence building. Research Policy, v. 31, n. 2, p. 213-231, 2002.

MAKANI, J.; MARCHE, S. Classifying organizations by knowledge intensity–necessary next-steps. Journal of Knowledge Management, v. 16, n. 2, p. 243-266, 2012.

MILES, I. Knowledge intensive business services: prospects and policies. Foresight, v. 7, n. 6, p. 39-63, 2005.

MINCER, J. Investment in human capital and personal income distribution. Journal of Political Economy, v. 66, n. 4, p. 281-302, 1958.

MURILLO, I. P. Human capital obsolescence: some evidence for Spain. International Journal of Manpower, v. 32, n. 4, p. 426-445, 2011.

NELEN, A.; DE GRIP, A. Why Do Part‐time Workers Invest Less in Human Capital than Full‐timers?. Labour, v. 23, n. s1, p. 61-83, 2009.

NEVES, S. M.; SILVA, C. E. S. da; SALOMON, V. A. P.; SILVA, A. F. da; SOTOMONTE, B. E. P. Risk management in software projects through knowledge management techniques: cases in Brazilian incubated technology-based firms. International Journal of Project Management, v. 32, n. 1, p. 125-138, 2014.

ONKELINX, J.; MANOLOVA, T. S.; EDELMAN, L. F. The human factor: Investments in employee human capital, productivity, and SME internationalization. Journal of International Management, v. 22, n. 4, p. 351-364, 2016.

PALACIOS-MARQUES, D.; GIL-PECHUÁN, I.; LIM, S. Improving human capital through knowledge management practices in knowledge-intensive business services. Service Business, v. 5, n. 2, p. 99, 2011.

PENNINGS, J. M.; LEE, K.; VAN WITTELOOSTUIJN, A. Human capital, social capital, and firm dissolution. Academy of Management Journal, v. 41, n. 4, p. 425-440, 1998.

PEETERS, J.; DE BACKER, F.; BUFFEL, T.; KINDEKENS, A.; STRUYVEN, K.; ZHU, C.; LOMBAERTS, K. Adult learners’ informal learning experiences in formal education setting. Journal of Adult Development, v. 21, n. 3, p. 181-192, 2014.

PORTER, M. E. A Vantagem Competitiva das Nações. In: MONTGOMERY, C. A.; PORTER, M. E. (ed.) Estratégia: a busca da vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Campus, 1998, p. 145-179.

PLOYHART, R. E.; MOLITERNO, T. P. Emergence of the human capital resource: a multilevel model. Academy of Management Review, v. 36, n. 1, p. 127-150, 2011.

PRAJOGO, D. I.; OKE, A. Human capital, service innovation advantage, and business performance: the moderating roles of dynamic and competitive environments. International Journal of Operations & Production Management, v. 36, n. 9, 974-994, 2016.

RAINERI, A. Linking human resources practices with performance: the simultaneous mediation of collective affective commitment and human capital. The International Journal of Human Resource Management, article in press, p. 1-30, 2016.

SAMAGAIO, A.; RODRIGUES, R. Human capital and performance in young audit firms. Journal of Business Research, v. 69, n. 11, p. 5354-5359, 2016.

SCHUGURENSKY, D. Vingt mille lieues sous les mers: les quatre défis de l'apprentissage informel. Revue Française de Pédagogie, n. 3, p. 13-27, 2007.

SCHULTZ, T. W. Investment in Human Capital. The American Economic Review, v. 51, n. 1, p. 1-17, 1961.

SUBRAMANIAM, M.; YOUNDT, M. A. The influence of intellectual capital on the types of innovative capabilities. Academy of Management Journal, v. 48, n. 3, p. 450-463, 2005.

TERRA, J. C. Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

TRÍOLA, M. F. Introdução à Estatística: atualização da tecnologia. 11. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2013.

VENCESLAU, M. Falta de profissionais de TI se agravará no Brasil, diz IDC. INFO Online, São Paulo, 19. Mar. 2013. Disponível em <http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/falta-de-profissionais-de-ti-se-agravara-no-brasil-diz-idc>. Acesso em 03 mai. 2014.

VIANA, G.; LIMA, J. F. Capital humano e crescimento econômico. Interações, v. 11, n. 2, p. 137-148, 2010.

XIAOYING, B. Learning system and its implications for macroeconomic growth. In: 2008 International Symposium on Knowledge Acquisition and Modeling. v. 4732885, p. 547-550, 2008.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5 ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

WEBER, S. Human capital depreciation and education level. International Journal of Manpower, v. 35, n. 5, p. 613-642, 2014.

WRIGHT, P. M.; DUNFORD, B. B.; SNELL, S. A. Human resources and the resource based view of the firm. Journal of Management, v. 27, n. 6, p. 701-721, 2001.

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) emhttp://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html

Downloads

Não há dados estatísticos.