GESTÃO DA INFORMAÇÃO EM REDES INTERORGANIZACIONAIS: ANÁLISE DE ARTIGOS CIENTÍFICOS DE 2009 A 2018
PDF

Palavras-chave

Redes interorganizacionais
Gestão da informação
Revisão Sistemática Integrativa

Como Citar

Silva, A. P., Kato-Cruz, E. M., Endo, G. Y., & Silva, N. S. da. (2020). GESTÃO DA INFORMAÇÃO EM REDES INTERORGANIZACIONAIS: ANÁLISE DE ARTIGOS CIENTÍFICOS DE 2009 A 2018. Revista Inteligência Competitiva, 10(2), 40–53. https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v10i2.367

Resumo

Com o crescente desenvolvimento dos mercados e a necessidade das organizações de se reinventarem na busca de maior agregação de valor, muitas delas têm buscado parcerias por meio de redes. Todavia, uma vez que em uma rede existe uma heterogeneidade de atores com objetivos individuais e que, a partir do novo formato organizacional, necessitam pensar e agir de forma conjunta, a gestão da rede passa a se tornar um desafio a ser superado. Tal fato, atrelado, a quantidade de informações que circulam nesse contexto, também faz com que a gestão não apenas da rede, mas das informações que ali são trocadas, passe a ser um requisito fundamental para o desenvolvimento do arranjo, bem como aprendizado conjunto. Logo, o presente artigo objetivou realizar um estudo bibliográfico de artigos presentes nos principais periódicos nacionais no período de 2009 a 2018. A pesquisa se justifica na medida em que ambas as teorias tratadas no estudo são consideradas amplas e interdisciplinares, logo, necessitam de um melhor direcionamento no que tange ao relacionamento entre as diferentes unidades análise que compõem as literaturas. Para tanto, foi utilizado para a realização do estudo o método de Revisão Sistemática Integrativa (RSI). Os resultados apontam para a necessidade de estudos quantitativos sobre esse tema, com vista e melhor compreender as relações que compõe esse tipo de arranjo e gerar indicadores de análise.
https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v10i2.367
PDF

Referências

Alves, J. N., & Pereira, B. A. D. (2013, abr./jun). Análise das publicações nacionais sobre estudos em relacionamentos interorganizacionais 2004-2009. RAI – Revista de Administração e Inovação, 10(2), 169 – 198. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rai/article/view/79321/pdf_1

Andrade Marconi, M., & Lakatos, E. M. (2010). Fundamentos da metodologia científica (7th ed.). São Paulo: Atlas.

Andrighi, F. F., Hoffmann, V. E., & Andrade, M. A. R. (2011, abr./jun). Análise da produção científica no campo de estudo das redes em periódicos nacionais e internacionais. RAI – Revista de Administração e Inovação, 8(1), 29 – 54. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rai/article/view/79213/pdf_33

Barbosa, F. A., Sacomano, J. B., & Porto, A. J. V. (2007, maio-ago). Metodologia de análise para reder interorganizacionais: competitividade e tecnologia. Gest. Prod., 14(2), 411 – 423. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/gp/v14n2/15.pdf

Belluzzo, R. C. B. (2014). O conhecimento, as redes e a competência em informação (COINFO) na sociedade contemporânea: uma proposta de articulação conceitual. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 4(Especial), 48 – 64. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/pgc/article/view/21276/11749

Borch, O. J., & Arthur, M. B. (1995, July). Strategic networks among small firms: impucations for strategy research methodology. Journal of Management Studies, 32(4), 419 – 441.

Botelho, L. L. R., de Almeida Cunha, C. C., & Macedo, M. (2011, Maio/Agosto). O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e Sociedade, 5(11), 121 – 136. Disponível em: https://www.gestaoesociedade.org/gestaoesociedade/article/view/1220/906

Carvalho, L. F. (2012). Gestão da informação em micro e pequenas empresas: um estudo do arranjo produtivo local de confecção do vestuário de Jaraguá-GO. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 2(Especial), 57 – 72. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/pgc/article/view/12598/8018

Cassiolato, J. E., & Szapiro, M. (2003). Uma caracterização de arranjos produtivos locais de micro e pequenas empresas. In: Lastres, H. M. M., Cassiolato, J. E., & Maciel, M. L. (Eds). Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Cavalcante, R. B., Watanabe, Y. J. A., de Azevedo Guimarães, E. A., Gontijo, T. L., de Oliveira, V. C., & Vasconcelos, D. D. (2017, jul./set). Comportamento informacional de gestores da rede Hiperdia Minas. Perspectivas em Ciência da Informação, 22(3), 33 – 55. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pci/v22n3/1981-5344-pci-22-03-00033.pdf

Costa, M. M. R. (2003). Procedimentos para aplicação de mapas semânticos como estratégia para criação do conhecimento organizacional. (Doutorado em Engenharia de Produção). Universidade Federal de Santa Catarina.

Davenport, T. H. (2000). Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta para sucesso na era da informação. São Paulo: Futura.

Gonzalez, R. V. D., Martins, M. F., & Toledo, J. C. (2009, jan./abr.). Gestão do conhecimento em uma estrutura organizacional em rede. Ci. Inf., 38(1), 57 – 73. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v38n1/04.pdf

Hoffmann, W. A. M., Gregolin, J. A. R., & de Faria, L. I. L. (2005). Desafios para o desenvolvimento regional – arranjo produtivo local de couro e calçados. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 2(3), 32 – 53. Disponível em: https://www.rbgdr.net/revista/index.php/rbgdr/article/view/30

Jordão, R. V. D. (2015, jul/set). Práticas de gestão da informação e do conhecimento em pequenas e médias empresas organizadas em rede: um estudo multicaso na indústria brasileira. Perspectivas em Ciência da Informação, 20(3), 178 – 199. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pci/v20n3/1413-9936-pci-20-03-00178.pdf

Kato-Cruz, E. M. (2017). Redes interorganizacionais de cooperação: influência da relação entre configuração de rede de práticas de governança sobre a coevolução das firmas e da rede. (Doutorado em Administração). Escola de Administração de Empresas de São Paulo – EAESP/FGV.

Molina, L. G., & Valentim, M. (2015, jul./dez). Memória organizacional como forma de preservação do conhecimento. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 5(2), 147 – 169. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/pgc/article/view/18962/14389

Oliveira e Silva, A. B., Matheus, R. F., Parreiras, F. S., & Parreiras, T. A. S. (2006, jan./abr.). Análise de redes sociais como metodologia de apoio para a discussão da interdisciplinaridade na ciência da informação. Ci. Inf., 35(1), 72 – 93. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v35n1/v35n1a09.pdf

Osarenkhoe, A. (2010). A study of inter-firm dynamics between competittion and cooperation – a coopetition strategy. Journal of Database Marketing & Customer Strategy Management, 17(3/4), 201 – 221. Disponível em: https://link.springer.com/content/pdf/10.1057/dbm.2010.23.pdf

Provan, K., & Kenis, P. (2008, April). Modes of network governance: structure, management, and effectiveness. Journal of Public Administration Research and Theory, 18(2), 229 – 252. Disponível em: https://academic.oup.com/jpart/article-abstract/18/2/229/935895?redirectedFrom=fulltext

Sordi, J. O. D., & Meireles, M. (2012, maio/jun.). Arranjo produtivo local ou aglomerado de empresas? Distinção por atributos associados à temática transferência de informação. RAP, 46(3), 775 – 94. Disponível em: scielo.br/pdf/rap/v46n3/a08v46n3.pdf

Souza Minayo, M. C. (2010). Pesquisa social: teoria, método e criatividade (29th ed.). Rio de Janeiro: Vozes.

Sugahara, C. R., & de Castro Santos Vergueiro, W. (2011). Rede sociais: um olhar sobre a dinâmica da informação na rede (APL) arranjo produtivo local têxtil de Americana – São Paulo. Rev. Internan. Bibliot., 34(2), 177 – 186. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/rib/v34n2/v34n2a5.pdf

Sugahara, C. R., & de Castro Santos Vergueiro, W. (2012). Informação e conhecimento: análise da rede apl têxtil de americana/sp-Brasil. Rev. Internan. Bibliot., 35(2), 163 – 171.

Sugahara, C. R., & Castro Santos Vergueiro, W. (2013, maio/agosto). Fluxo de informação na perspectiva do ambiente em rede. Rev. digit. Bibliotecon. Cienc. Inf., 11(2), 76 – 97. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/1639/pdf

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) emhttp://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html

Downloads

Não há dados estatísticos.