Mapeamento dos Níveis de Maturidade Organizacional em Uso de Inteligência Competitiva: Uma Pesquisa Nas 500 Maiores Empresas Sediadas No Brasil
PDF

Palavras-chave

Inteligência Competitiva
Nível de Maturidade
Níveis de Maturidade Organizacional

Como Citar

Ciupak Bocardi, C., Rodrigues, L. C., & Alves Silvente, G. (2022). Mapeamento dos Níveis de Maturidade Organizacional em Uso de Inteligência Competitiva: Uma Pesquisa Nas 500 Maiores Empresas Sediadas No Brasil. Revista Inteligência Competitiva, 12(1), e0415. https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v12i.2022.e0415

Resumo

Objetivo: Mapear os Níveis de Maturidade Organizacional em uso de Inteligência Competitiva (IC) nas 500 maiores empresas sediadas no Brasil, tendo como parâmetro a classificação proposta no Modelo de Rodrigues e Riccardi (2007).

Metodologia: As empresas selecionadas para esta pesquisa são as eleitas pela Revista Exame como Maiores e Melhores, no ano de 2016. Para a caracterização da presença de Inteligência Competitiva nas empresas, utilizou-se, da estatística descritiva, tendo como instrumento de coleta de dados, o questionário desenvolvido pela Puzzle.

 Originalidade: O reconhecimento da literatura especializada acerca da criticidade dos sistemas de IC para o sucesso dos negócios reconhece, se não uma dicotomia (importância versus inexploração temática), pelo menos um claro vazio na exploração deste tema, o que constitui uma lacuna científica que passa a ser objeto desta pesquisa.

 Resultados: Os principais resultados indicam que a IC evoluiu da quase informalidade para níveis superiores de maturidade, evidenciados pela expansão de suas atividades funcionais, maior abrangência institucional e maior formalização de seus procedimentos.

 Contribuições teóricas/metodológicas: Isto permite concluir que a IC tem aumentado seu nível de maturidade em uso nas empresas pesquisadas, já atingindo os níveis 3 e 4 de maturidade. A maior formalização de seus processos e a extensão de seu alcance lhe dão amplitude institucional e um papel corporativamente mais útil e competitivamente mais estratégico.

https://doi.org/10.24883/IberoamericanIC.v12i.2022.e0415
PDF

Referências

Adidam, P. T., Banerjee, M., & Shukla, P. (2012). Competitive intelligence and firm’s performance in emerging markets: An exploratory study in India. Journal of Business and Industrial Marketing, 27(3), 242–254. https://doi.org/10.1108/08858621211207252

Anica-Popa, I., & Cucui, G. (2009). A Framework for Enhancing Competitive Intelligence Capabilities using Decision Support System based on Web Mining Techniques.

International Journal of Computers, Communication & Control, IV(4), 326–334. Bose, R. (2008). Competitive intelligence process and tools for intelligence analysis.

Bose, R. (2008), "Competitive intelligence process and tools for intelligence analysis", Industrial Management & Data Systems, Vol. 108 No. 4, pp. 510-528. https://doi.org/10.1108/02635570810868362

Ciupak, C., & Fagundes, J. (2016). Inteligência Competitiva: Uma pesquisa bibliométrica de 2005 a 2015. XL Congresso Enanpad, 1–15.

Comai, A., Tena, J., & Vergara, J.C. (2006). Software para la vigilancia tecnológica de patentes: evaluación desde la perspectiva de los usuarios. El Profesional de La Información, 15(6), 452–458. https://doi.org/10.3145/epi.2006.nov.06

Dishman, P. L., & Calof, J. L. (2008). Competitive intelligence: a multiphasic precedent to marketing strategy. European Journal of Marketing, 42(7/8), 766–785. https://doi.org/10.1108/03090560810877141

Heinrichs, J. H., & Lim, J.-S. (2005). Model for Organizational Knowledge Creation and Strategic Use of Information. Journal of the American Society for Information Science & Technology, 56(6), 620–629. https://doi.org/10.1002/asi.20152

Heppes, D., & Toit, A. Du. (2009). Level of maturity of the competitive intelligence function: Case study of a retail bank in South Africa. Aslib Proceedings, 61(Ci), 48–66. https://doi.org/10.1108/00012530910932285

Prescott, J., & Miller, S. (2002). Inteligência Competitiva na Prática. (Campus, Ed.). Rio de Janeiro.

Puzzle. (2005). Inteligência Competitiva. Retrieved from http://www.revista-puzzle.com Rodrigues.

L. C., & Riccardi, R. (2007). Inteligência Competitiva nos Negócios e Organizações. (Unicorpore, Ed.). Maringá.

Rodrigues, L. C., & Sierra, V. J. (2014). Maturidade Organizacional em Inteligência Competitiva – O Caso de uma Instituição Financeira Brasileira. Revista de Ciências Da Administração, 16(38), 126–139. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.5007/2175- 8077.2014v16n38p126

Saayman, A., Pienaar, J., Pelsmacker, P. de, Viviers, W., Cuyvers, L., Muller, M.-L., & Jegers, M. (2008). Competitive intelligence: construct exploration, validation and equivalence. Aslib Proceedings (Vol. 60). https://doi.org/10.1108/00012530810888006

Sewdass, N., & Toit, A. Du. (2014). Current state of competitive intelligence in South Africa.

International Journal of Information Management, 34(2), 185–190. https://doi.org/10.1016/j.ijinfomgt.2013.10.006

Sierra, J., & Rodrigues, L. (2011). Maturidade Organizacional em Inteligência Competitiva – O Caso de uma Instituição Financeira Brasileira. XXXV Encontro Da ANPAD, 1–15.

Tanev, S., & Bailetti, T. (2008). Competitive intelligence information and innovation in small Canadian firms. European Journal of Marketing, 42(7/8), 786–803. https://doi.org/10.1108/03090560810877150

Vedder, R. G., & Guynes, S. C. (2002). Cios’ Perspectives on Competitive Intelligence.

Richard G. Vedder Ph.D. & C. Stephen Guynes Ph.D. (2002) Cios' Perspectives on Competitive Intelligence, Information Systems Management, 19:4, 49-55, DOI: 10.1201/1078/43202.19.4.20020901/38834.6

O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do texto na da revista;

O(s) autor(es) garantem que a contribuição é original e inédita e que não está em processo de avaliação em outra(s) revista(s);

A revista não se responsabiliza pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es);

É reservado aos editores o direito de proceder a ajustes textuais e de adequação às normas da publicação.

Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

Esta licença permite que outros remixem, adaptem e criem a partir do seu trabalho para fins não comerciais, e embora os novos trabalhos tenham de lhe atribuir o devido crédito e não possam ser usados para fins comerciais, os usuários não têm de licenciar esses trabalhos derivados sob os mesmos termos.

Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre) emhttp://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html

Downloads

Não há dados estatísticos.